Exposições
Comemorativas
dos 450 Anos
Rio Setecentista - Quando
o Rio Virou Capital
O Rio de Debret
Coleção Castro Maya
Kurt Klagsburn - Um
Fotógrafo Humanista no Rio
e Marcos Chaves Paisagens
não Vistas
Guinard e o Oriente - Entre
o Rio e Minas e As
Primeiras Cores do Rio
A Muito Leal e Heróica
Cidade de São Sebastião
do Rio de Janeiro
Outras Exposições

OUTRAS EXPOSIÇÕES COMEMORATIVAS



Rio Uma Paixão Francesa

"Sem a pretensão de esgotar o tema, esta exposição vem revelar tesouros preciosamente guardados em intituições francesas desde o fim do século XIX. As relações entre o Brasil e a França se intensificam ainda mais nos dias de hoje, como atesta a importante coleção de fotografias contemporâneas da Maison Européenne de la Photographie, aqui representada com alguns exemplos que têm o Rio como tema.

Rio, certamente uma paixão francesa, mas também uma paix/ão de f9otógrafos do mundo inteiro que o FotoRio e o MAR se orgulham de compartilhar".


Autor desconhecido. s/d. Acervo da Agência C. Chusseau-Flaviens, Paris. Palácio Guanabara, residência oficial do Presidente da República.
Museu Nicéphore Niépce, Chalon-sur-Saône.

Autor desconhecido. s/d. Acervo da Agência C. Chusseau-Flaviens, Paris. Pão de Açúcar, Urca. Museu Nicéphore Niépce, Chalon-sur-Saône.


Autor desconhecido. s/d. Acervo da Agência C. Chusseau-Flaviens, Paris. Parque e antigo palácio imperial. Museu Nicéphore Niépce, Chalon-sur-Saône.

Abaixo: Marc Ferrez (Rio de Janeiro, 1843-1923). Estátua de D. Pedro I, 1886. Société Française de Photographie, Paris.

Ao lado acima: Ghérasin Luca (Budarest, 1913 - Paris, 1994). Os arcos de... Série Brésil, 1960-1970. Vinhetas coladas sobre impressões analógicas de Marc Ferrez / Doação de Micheline Catti em 2009. Centre Pompidou, Paris / Musée national d'art moderne / Centre de création industrielle.

Abaixo: Autor desconhecido. Maquete do Cristo Redentor no ateliê do escultor Paul Landowski (sentado à direira). Coleção particular.


Ao lado abaixo: Augusto Malta. (Mata Grande, 1844 - Rio de Janeiro, 1957) Botafogo, s/d. Museu Nicéphore Niépce, Chalon-sur-Saône.


Autor desconhecido. s/d. Acervo da Agência C. Chusseau-Flaviens, Paris. Panorama do Rio visto de São Francisco. Museu Nicéphore Niépce, Chalon-sur-Saône.

Marc Ferrez (Rio de Janeiro, 1843-1923). Almirante Barrozo, navio português fotografado na enseada do Rio de Janeiro, s/d. Société Française de Photographie, Paris.

Raymond Depardon (Villefranche-sur-Saône, 1942). Serie Rio de Janeiro, 2004. Maison Européenne de la Photografie, Paris

A. de Barros Araújo. Missa Campal pela abolição da escravidão no Brasil. Praça D.
Pedro I [Sic], 17 de maio de 1888
. Société Française de Photographie, Paris.

Bruno Barbey (Berrechid, 1941). Roberto Burle Marx eem seu jardim, 1980. Maison Européenne de la Photographie, Paris.


Rogério Reis (Rio de Janeiro, 1954). Série Surfistas de Trem, 1990. Maison Européenne de la Photographie, Paris.


Alberto Ferreira (Campina Grande, 1932 - Búzios, 2007). La bicyclette de Pelé. Jogo Brasil - Bélgica, Maracanã, Rio de Janeiro, 3 de junho de 1965. Maison Européenne de la Photographie, Paris.
Retorna ao Início da Página



San Sebastiano - Uma Homenagem da Itália ao Rio de Janeiro

A exposição apresentada no Museu Nacional de Belas Artes em homenagem aos 450 anos do Rio de Janeiro: San Sebastiano - Uma Homenagem da Itália ao Rio de Janeiro, apresentou dois quadros que pode se dizer possuem uma identificação com a cidade que tem como patrono São Sebastião. São duas obras primas, realizadas há cerca de 400 anos, contemporâneo à fundação da cidade, por dois grandes nomes da pintura italiana: Guido Reni e Guernico, que pertencem ao Musei Capitolini de Roma e à Pinacoteca Nazionale de Bologna.

Estas obras da iconografia do santo mostram: em Guido Reni o momento do martírio das flechas enfrentado pelo santo com a coragem da fé, e o de Guernico a piedade de Santa Irene e outros personagens diante do sofrimento do santo. Esta iniciativa com o objetivo de intercâmbio cultural entre os países, permite aos brasileiros conhecer um pouco do maravilhoso patrimônio artístico italiano, ligado também à nossa cultura.

Àesquerda: Guido Reni. São Sebastiano, 1615-1616. Óleo sobre tela. Musei Capitolino, Roma. Guido Reni nasceu em Bolonha em 4 de novembro de 1575, estudou em Bolonha e Roma onde complementou sua formação, pintou quadros para o Rei da Espanha, para a Rainha da Inglaterra e outros comitentes estrangeiros. Morreu em Bolonha em 18 de agosto 1642.

À direita: Giovanni Francesco Barbieri, dito Guernico. San Sebastiano curato da Irene, 1619. Óleo sobre tela. Pinacoteca Nazionale di Bologna. Guernico pintou o quadro para o Papa Cardeal Jacopo Serra (1570-1623). Mostra São Sebastião após ter sido deixado pelo arqueiros, que achavam que ele já estivesse morto, sendo socorrido pela viúva Irene que o salvou da morte.

A primeira foto mostra Irene com a face e o pescoço em um foco de luz, com uma expressão apreensiva, mas de confiança. Foi ela que reuniu a equipe para prestar
socorro a Sebastião e teve o dever de controlar o êxito da cirurgia que se executav á sua frente. A segunda mostra o médico tratando do corpo de Sebastião que
desmaiou após ser martirizado e foi abandonado pelos algores que pensavam que ele já estivesse morto. A terceira mostra a esponja passada sobre os ferimentos
trazendo alívio ao ferido que pode se reabilitar da dor e do sofrimento que lhe foi infligido.


Retorna à página O RIO DE JANEIRO EM SEUS 450 ANOS - 1565 A 2015
Retorna ao início da página