A Baía de Guanabara - Sua História

A Baía de Guanabara foi o elemento fundamental da posição desempenhada pela Cidade do Rio de Janeiro no cenário brasileiro, por ser ampla e bem abrigada, devido ao estreito espaço de sua barra, 1.600 metros, ladeados por dois morros que formam um baluarte natural de proteção: o Pão de Açúcar e o de Santa Cruz. Seu interior é calmo, de boa profundidade e grande espaço para ancoragem de navios, chegando a ter vinte e oito quilômetros de extensão na direção norte-sul.

Nas suas duas pontas de entrada foram construídas duas importantes Fortalezas: a de Santa Cruz e a de São João e qualquer embarcação que penetrasse a barra ainda teria que passar pela Fortaleza de Lage, construída um pouco mais para dentro, formando com as outras duas Fortalezas da barra um triângulo.

Desta forma a Baía do Rio de Janeiro era uma praça mais fortificada que a da Bahia, tendo chegado a abrigar nove Fortalezas e tendo ainda o Arsenal do Trem para abastecimento, que possuía material de reposição para as Fortalezas. A posição da Baía permitiu que nela se desenvolvesse um importante Porto da Cidade.

Estas condições transformaram a cidade em um centro econômico importante e nele se estabeleceram os armazéns reais que forneciam materiais bélicos para o Rio Grande, no sul do Brasil, mas esta situação despertava também, a cobiça de outros povos interessados nas riquezas que a cidade guardava em seus muros e a manutenção e conservação de todo o seu poderio bélico era oneroso e demandava muito trabalho.

A baía de Guanabara, possuía uma grande possibilidade de interiorização através do Rio Paraíba do Sul e seus afluentes, que vinham desaguar na Baía estabelecendo uma importante ligação e permitindo uma intensa rede de navegação no interior da baía.

Rios que desaguam na Baía de Guanabara

Rio Acari Rio Alcântara Rio Bomba Rio Cacebiru Rio Carioca Rio Estrela Rio Guapi Rio Guaraí
Rio Guapemirim Rio Guaxindiba Rio Iguaçu Rio Imboaçu Rio Inhomirim Rio Irajá Rio Iriri Rio Macacu
Rio Magé Rio Maracanã Rio Marimbondo Rio Méier Rio Meriti Rio Pavuna Rio Piraque Rio Quitungo
Rio Roncador Rio Saracuruna Rio Sarapuí Rio Suruí Rio Timbó Rio Trapicheiros Canal do Cunha Canal do Mangue

A grande quantidade de Rios da Guanabara pode ser visto no Mapa de Luís Teixeira - 1573-1578

No século XVII a cana de açúcar foi o fator de desenvolvimento do Porto do Rio de Janeiro, que só perdia para a Bahia e para Pernambuco, os dois centros de produção açucareira nordestina. No século XVIII, com a descoberta do ouro, o porto passou a ser o "porto do ouro", mas a partir de 1770 o açúcar voltaria a ter sua importância, com a diminuição do ouro das Minas. O açúcar manteve sua importância até o século XIX, quando o café tomou o seu lugar.

O Porto do Rio de Janeiro teve sua importância até o início do século XX e existe uma corrente que acha que o esvaziamento do Rio de Janeiro teve seu início não com a transferência da capital para Brasília, mas no final do século XIX, quando o Porto de Santos passou a ser o mais importante da região.

A Baía está repleta de ilhas: a maior delas o do Governador com 32 Km2, onde do final do século XVI até o do século XVII operou o principal engenho açucareiro da família Sá, inicialmente pertencente ao Governador Salvador Correia de Sá; seguida da de Paquetá com aproximadamente 1 Km2 de extensão. Hoje muitas ilhas foram integradas ao continente.

As ilhas foram inicialmente locais de fortificação militar, zonas de produção de alimentos e colônias de pesca. A Marinha sempre teve importantes instalações nas ilhas, como: a de Villegagnon que abriga a Escola Naval; a Ilha das Cobras com o Arsenal de Marinha; a Ilha Fiscal onde atualmente se encontra um Centro Cultural, mas que já foi sede do Centro Oceanográfico da Marinha e a Ilha das Enxadas ocupada pelo Centro de Treinamento da Marinha. Muitas ilhas se transformaram em depósitos de petróleo e derivados de munições e a Baía tem sido muitas vezes castigada por desastres ecológicos deles provenientes. A Ilha de Sapucaia foi utilizada como depósito de lixo e hoje está incorporada à Cidade Universitária da Ilha do Fundão.

A Baía de Guanabara foi um recurso magnífico, degradado e abandonado pela cidade e pelo estado, hoje seu projeto de "despoluição" se desenvolve lentamente, à mercê dos desmandos das autoridades.


Vista da entrada da Baía de Guanabara que é ladeada pelas cidades do Rio de Janeiro e de Niterói, sua entrada aproxima as cidades, mas seu imenso interior as afastas, por isto só podemos visualizar a sua entrada e não toda sua extensão. A foto foi tirada do Morro do Corcovado e nela podemos ver seu mirante.
Retorna ao Início da Página



Entrada da Barra da Baía de Guanabara


Vista da entrada da Baía de Guanabara tirada do interior
da Baía, de um lado Rio de Janeiro do outro Niterói.


Vista da entrada da Baía de Guanabara tirada do Museu de
Arte Contemporânea em Niterói.


Vista da entrada da Baía de Guanabara vendo-se a Fortaleza de
Santa Cruz, em Niterói, em frente ao Morro do Pão de Açúcar.

Vista da entrada da Baía de Guanabara e do relevo da
cidade, tirada do navio MSC Ópera.

Duas vistas do relêvo da cidade, tiradas da entrada da Baía de Guanabara no navio MSC Armonia em 2004,
a primeira na entrada da Baía e a segunda fora da Barra.



Duas vistas de todo o relêvo da zona sul da cidade, tiradas da entrada da Baía de Guanabara no navio
MSC Ópera em 2010 em duas diferentes posições.



Duas vistas do relêvo da cidade tiradas do navio MSC Ópera em 2010, em alto mar ao entardecer, em primeiro plano o relêvo de Copacabana e em segundo plano o Pico dos Dois Irmãos, a Pedra da Gávea e o Cristo Redentor. A segunda foto é um detalhe.


Vista da entrada da Baía de Guanabara tirada do Forte
de Imbuhi, em Niterói.



Vista da entrada da Baía, com a Fortaleza de Lage e o
relevo da cidade ao fundo. Foto tirada do navio MSC
Rhapsody saindo da Baía de Guanabara ao entardecer.

Vistas da entrada da Barra, tiradas da Fortaleza de Santa Cruz e do Morro da Urca, com o Morro do Pão de Açucar em primeiro plano.

Quatro fotos da entrada da Barra, tiradas de navios saindo da Baía. A primeira do MSC Ópera pode se ver as Fortalezas de Lage e
o Forte de São José no Morro Cara de Cão, a segunda do MSC Rhapsody, as outras duas do MSC Sinfonia. Na terceira pode se ver
um pouco do Bairro da Urca e a Cristo Redentor ao fundo entre as nuvens, a última foi tirada logo após a saída da barra.


Retorna ao Início da Página



Ilha de Villegagnon


Vista da Escola Naval, tirada do navio MSC Ópera.

Vista da Escola Naval, tirada do navio Costa Mágica.

Vista da Escola Naval, tirada da Ilha Fiscal.

Vista da Escola Naval, tirada do navio Costa Allegra.

A Ilha de Villegagnon deve seu nome à memória do
Vice-Almirante Nicolau Durand de Villegagnon, que nela
ergueu o Forte Coligny, na tentativa de fundar, no Brasil,
a França Antártica, em 1555. Depois da expulsão dos
franceses, em 1565, a ilha teve dois fortes construídos
pelos portugueses. Desde 1938 nela encontra-se a
sede da Escola Naval
.

A foto ao lado foi tirada em um passeio de barco
pela Baía de Guanabara


Vista da Escola Naval, tirada do navio MSC Armonia.


Vista da Escola Naval, tirada ao lado da pista do Aeroporto
Santos Dumont.

Retorna ao Início da Página



Ilha Fiscal


Vista da Ilha Fiscal inserida na belíssima paisagem
da Baía de Guanabara.

Próximo da Praça XV, de vários pontos se avista o encantador castelo em Estilo Neogótico, palco do último baile do Império, oferecido aos oficiais do navio chileno Almirante Cochrane, em 9 de novembro de 1889, seis dias antes da queda da Monarquia e da Proclamação da República. É a Ilha Fiscal, hoje um Centro Cultural, que além de promover exposições temporárias, mantém uma permanente sobre a história da Marinha e da Ilha.

Inicialmente era chamada de Ilha dos Ratos e passou a ser chamada Ilha Fiscal, por ter pertencido à Fazenda Nacional, depois nela funcionou o Centro Oceanográfico da Marinha. O castelo encanta pela sua arquitetura e interiormente pelo piso em mosaico de madeiras nobres da flora brasileira, os dois torreões, os vitrais e as colunas, os arcos e os florões em cantaria.

Vistas da Ilha Fiscal tiradas do interior da Baía de Guanabara. A primeira tendo ao fundo a Praça Quinze. A segunda tendo ao fundo o
Aeroporto Santos Dumont, o Pão de Açúcar e parte do Bairro da Urca.

Quatro fotos do Castelo Neogótico da Ilha Fiscal tiradas da Baía de Guanabara. A primeira foto abaixo mostra detalhe do Brazão
Imperial localizado na parte de cima da Torre e a segunda mostra o Castelo iluminado.





As duas primeiras fotos mostram detalhes da Torre do Castelo. A terceita foto mostra o interior do prédio com suas nervuras góticas.


Medalhões da Princesa Isabel e de D. Pedro II, que decoram
a sala que fica no alto do pavilhão central do Castelo.
Retorna ao Início da Página



Ponte Rio - Niterói

A Ponte Rio-Niterói foi inaugurada em 4 de março de 1974, no Governo do General Emílio Garrastazú Médici. Possue quase 14 Km de extensão, chama-se oficialmente Ponte Presidente Costa e Silva, com ela foi viabilizada a travessia Rio-Niterói, que antes era feita apenas pelas barcas ou através dos Municípios de Magé e Duque de Caxias, de uma forma longa e difícil.

A travessia facilitou o acesso entre as cidades do Rio e Niterói e também para toda a Região dos Lagos, além de ser uma grande obra de engenharia. Recentemente a Ponte foi privatizada e passou por um processo de restauração, com a troca de asfalto de suas pistas por concreto, de maior resistência.



Vista da Ponte Rio-Niterói, foto tirada do alto do Morro da
Urca, podendo ser visto também o Aeroporto Santos Dumond.




Vista da Ponte Rio - Niterói, foto tirada do navio MSC
Sinfonia no Porto do Rio de Janeiro, tendo ao fundo as
montanhas da Serra dos Órgãos com destaque para o Pico
do Dedo de Deus.

Vista da Ponte Rio - Niterói, foto tirada do navio
MSC Sinfonia.


Vista da Ponte Rio - Niterói, foto tirada da Fotaleza de
Santa Cruz.

Vistas da Ponte Rio - Niterói, tendo à sua frente a Ilha das Enxadas. Ambas tiradas de navios no Porto do Rio de Janeiro.

Vistas da Ponte Rio - Niterói tiradas do navio MSC Ópera. A segunda mostra um avião preparando-se para aterrisar
no Aeroporto Santos Dumont.

Vistas da Ponte Rio - Niterói tiradas da Ilha do Fundão- Cidade Unversitária.
Vistas da Ponte Rio - Niterói tiradas em um passeio pela Baía, tendo à sua frente o Porta-aviões George Washington.
Continua na página BAÍA DE GUANABARA - AS FORTALEZAS
DE SANTA CRUZ DA BARRA E DE LAGE
 




Acesso ás Páginas da História do Rio de Janeiro
| A Descoberta | Os Franceses no Rio | Villegagnon - A França Antártica | São Sebastião do Rio de Janeiro - Uma Fundação em Etapas |
| O Rio no Final do Século XVI | O Século XVII | O Século XVIII | D. João VI no Rio | Os Impérios | A República |

Acesso ás Páginas de Encantos do Rio de Janeiro
| Baía de Guanabara | Barra da Tijuca | Botafogo | Centro | Copacabana | Flamengo e Catete | Glória | Ipanema |
| Jardim Botânico | Laranjeiras e Cosme Velho | Lagoa Rodrigues de Freitas e Gávea | Leblon | São Conrado | São Cristóvão | Tijuca |
| Ilha do Fundão - Cidade Universitária e Ilha do Governador | Jacarepaguá | Del Castilho | Engenho de Dentro | Leopoldina |
| Jogos Pan-Americanos - RIO 2007 |