JOGOS OLÍMPICOS
RIO 2016
Os Jogos Olímpicos
no Rio de Janeiro
RIO 2016
Região do Maracanã
RIO 2016
Região da Barra da Tijuca
RIO 2016
Região de Copacabana
RIO 2016
Região de Deodoro

RIO 2016 - REGIÃO DA BARRA DA TIJUCA

ATLETISMO - MARCHA ATLÉTICA E CICLISMO DE ESTRADA



Atletismo - Marcha Atlética

Um Breve Histórico do Esporte Marcha Atlética

Há cerca de 300 anos, nasceu na Inglaterra um esporte curioso porque para uns parecia engraçados e para outros um pouco estranho, mas que tinha uma importância significativa para o mundo esportivo, principalmente em Olimpíadas porque sua principal característica era ser uma caminhada com técnica. Por isto a Marcha Atlética Mundial, entrou para o programa dos Jogos como parte do Atletismo desde Londres - 1908 tendo como vencedores o húngaro Gyorgy Sztantics e o americano George Bonhagnos nos 1500 e 3000 metros, respectivamente. Após essa Competição, houve muita discussão sobre a Modalidade, o que ocasionou seu cancelamento das Olimpíadas seguintes. Mas em Amsterdã - 1928 ela voltaria ao Palco Olímpico, embora as mulheres só tenham começado a competir em Barcelona - 1992.

As Provas de Marcha Atlética são competições de longa distância na qual os marchadores, como são chamados seus praticantes, têm que estar todo o tempo com pelo menos um pé no chão. Ou seja, a ponta do pé de trás não pode perder contato com o solo antes do calcanhar do pé da frente tocar o chão. Por isto seus praticantes parecem "rebolar" quando estão em movimentos apressados para competir. Apesar de ser uma Modalidade que já se pratica desde o início das Olimpíadas Modernas, a Marcha é a mais desconhecida das Provas do Atletismo. Ainda assim é popular em alguns países como Espanha, Itália, China, Japão, México e Rússia.

Na Marcha Atlética a velocidade é cerca de 2,5 vezes maior que a de uma caminhada comum. Para praticar essa Modalidade é preciso muito preparo físico que inclui exercícios que reforcem os músculos das costas, abdomme e membros inferiores e também exercícios de flexibilidade das articulações e músculos dos quadris, ombros e tornozelos. Além do preparo físico, o marchador deve se manter concentrado, porque precisa de ritmo e coordenação. Os juízes utilizam placas amarelas como símbolo de uma possível infração, e se o marchador é julgado como infrator é anotado no quadro de advertências um cartão vermelho, quando três juízes diferentes mostram os cartões vermelhos ao marchador, o juiz chefe desclassifica o competidor.

Para facilitar o trabalho dos árbitros, o percurso da Marcha não costuma ser linear como o da Maratona, mas circular como a pista do Atletismo, mesmo que seja disputada em um circuito de rua. Nas Olimpíadas, a Prova da Marcha Atlética costuma começar dentro do Estádio, com todos os competidores largando alinhados, sair dele para um circuito de rua e após um determinado número de voltas, retornar para dentro do Estádio, onde o primeiro marchador a cruzar a Linha de Chegada será o vencedor. Oficialmente, segundo a International Association of Athletics Federations - IAAF, a Marcha pode ser disputada em três distâncias diferentes: 10 km apenas para mulheres, 20 km para homens e mulheres e 50 km apenas para homens. Além de disputada em Olimpíadas e Mundiais, a Marcha Atlética também possui seu próprio Mundial em separado, disputado a cada dois anos.

Os principais atributos para o sucesso da Marcha são: resistência, que só poderá ser adquirida com um programa de treino intensivo em que se dá forte preferência à eficácia e no qual haja grande influência das qualidades morais e da força de vontade do marchador; força que consiste em aumentar o potencial de resistência e de velocidade, por isto treino especial da velocidade na Marcha é hoje em dia cada vez menos usado. A Marcha Atlética é a única Prova do Atletismo onde marchadores podem ser desclassificados por não cumprirem com as regras antes do Final da Prova, sem direito a apelação. Isto pode causar e já causou muitos problemas no passado, alguns dos quais tem minado a credibilidade do esporte. É uma clara discrepância em relação a outros Eventos onde competidores podem concluir a Prova e apelar. Algumas vezes um número desproporcional de desqualificações em relação ao número dos que iniciaram a Prova apresenta uma imagem negativa do esporte.

A Modalidade foi trazida para o Brasil por José Carlos Daudt e Túlio de Rose logo que voltaram dos Jogos Olímpicos de Berlim - 1936 e em 1937 aconteceu, em Porto Alegre, a primeira disputa na qual o vencedor foi Carmindo Klein. O Brasil estreou na Marcha Atlética em Olimpíadas em Seul - 1988 com Marcelo Palma, que ganhou o Bronze Pan-americano em Havana - 1991 e se classificou, novamente voltou a competir em Barcelona - 1992 junto com Sergio Galdino e Ademar Kammler. Em 1989 foi instituída a Copa Brasil de Marcha Atlética, disputada em Natal. Em 1993 Sergio Galdino conquistou a 6a posição no Campeonato do Mundo de Atletismo em Stuttgart e estabeleceu a melhor marca Sul-Americana também na Alemanha, em 1995.

O nome mais conhecido mundialmente da Marcha Atlética é do polonês Robert Korzeniowski que foi o único tricampeão Olímpico de Marcha Atlética, tendo conquistado Medalha de Ouro em Atlanta - 1996, Sidney - 2000 e Atenas - 2004. Em Sidney ele também se tornou o único marchador a vencer as duas provas de 20 km e 50 km em uma mesma Edição de Jogos Olímpicos.



A Marcha Atlética nos Jogos Olímpicos - RIO 2016 -

A Modalidade Marcha Atlética nos Jogos Olímpicos - RIO 2016, foi realizada nos dias 12 e 19 de agosto, com a disputa de três provas: a Prova Masculina 50 km, a Prova Masculina 20 km e a Prova Feminina 20km.

O marchador precisa manter sempre o contato com o solo com pelo menos um dos pés, evitando assim a corrida. Além disso, a cada passo, a perna que avança precisa permanecer reta e o movimento provoca o requebrar do quadril que é uma característica do esporte.

O Brasil participou com sete atletas na Marcha Atlética, cinco homens e duas mulheres participando das três Provas.

PARTICIPAÇÃO DA MARCHA ATLÉTICA
TORNEIOS MASCULINO E FEMININO
200 Países (*)
2.363 Atletas (*)
3 Modalidades de Provas
9 Medalhas
(*) Os números aqui citados referem-se ao Atletismo
como um todo.
EQUIPE DO BRASIL NA MARCHA ATLÉTICA
EQUIPE MASCULINA
20 km - Moacir Zimermann 20 km - José Alessandro Bagio
50 km - Jonathan Rieckmann 20 e 50 km - Caio Bonfim
50 km - Mario José dos Santos Júnior
EQUIPE FEMININA
20 km - Erica de Sena 20 km - Cisiane Lopes
PREMIAÇÃO DA MARCHA ATLÉTICA
TORNEIOS MASCULINO E FEMININO
Modalidade Dia Ouro Prata Bronze
20 km Masculina 12 ago Wang Zhen - CHN Cai Zelin - CHN Dane Bird-Smith - AUS
50 km Masculina 19 ago Matej Tóth - SVK Jared Tallent - AUS Hirooki Arai - JPN
20 km Feminina 19 ago Liu Hong - CHN Maria Guadalupe
González- MEX
Lü Xiuzhi - CHN

Eventos da Marcha Atlética

O conjunto de fotos mostra um pouco do trajeto da Marcha Atlética Masculina de 20Km realizada no dia 12 de agosto, a segunda figura mostra o trajeto
da Marcha Atlética: a parte pontilhada indica o trajeto dos 20Km que é feito em 20 voltas e a parte preenchida completa o trajeto para os 50Km que é feito
em 25 voltas. O círculo com a letra "A" indica o local da Largada e da Chegada.

Retorna ao Início da Página



Cicismo de Estrada

Um Breve Histórico do Esporte Ciclismo de Estrada

Existem quatro tipos de competições de Ciclismo nas Olimpíadas: Ciclismo de Pista; Mountain Bike; BMX e Ciclismo de Estrada que possue dois tipos de Modalidades: Prova de Resistência e Contrarrelógio. Nesta página será abordado o Ciclismo de Estrada. As provas de Ciclismo distribuem juntas 54 Medalhas Olímpicas.

O Ciclismo de Estrada foi a primeira Modalidade a ser disputada em cima de uma bicicleta, ocorreu em 31 de maio de 1868, no Parc de Saint-Cloud, em Paris, foi vencida pelo britânico James Moore que foi considerado o primeiro ciclista a vencer uma Prova. No ano seguinte, Moore escreveu mais uma vez seu nome na história, ele venceu a primeira Prova do esporte entre cidades, percorrendo os 123 km entre Paris e Rouen, num persurso que levou 10h25 para ser percorrido. Com a popularidade em alta, o Ciclismo de Estrada fez parte do programa da primeira Edição dos Jogos Olímpicos, em Atenas -1896 percorrendo o mesmo trajeto da tradicional Maratona dos primeiros Jogos Olímpicos da Antiguidade entre Atenas e a cidade de Marathon e retornando à capital grega.

Depois de 1896, o Ciclismo de Estrada não esteve presente nas três edições seguintes: Paris - 1900, Saint Louis - 1904 e Londres - 1908. O retorno se deu nos Jogos de Estocolmo - 1912, depois não houve mais interrupções na participação da Modalidade. As mulheres, entretanto, só entraram na disputa em Los Angeles - 1984, com a Prova Individual de Estrada. As bicicletas para as Provas de Estrada são geralmente feitas com quadro de carbono e outros materiais leves, seu peso não chega a 7 kg, o guidão é propositalmente baixo, o que permite ao Ciclista uma boa economia de energia, além de uma aerodinâmica mais favorável.

O nome mais importante do Ciclismo de Estrada é o da holandesa Leontien Martha Henrica Petronella Zijlaard-van Moorsel, um nome grande para quem teve grandes vitórias. Nascida em 22 de março de 1970, van Moorsel é a maior vencedora da história do Ciclismo de Estrada, em Sidney - 2000 e Atenas - 2004, ela conquistou 3 Medalhas de Ouro na Modalidade. Ganhou Medalha de Ouro nas Prova de Resistência e Contrarrelógio em Sidney - 2000 e repetiu o título no Contrarrelógio em Atenas - 2004. Os resultados já colocariam a Ciclista na história, mas ela ainda aumentou seu sucesso no Ciclismo de Pista conquistando um Ouro em Perseguição Individual e uma Prata na Corrida por Pontos em Sidney - 2000 e um Bronze em Perseguição Individual em Atenas - 2004.

Existem dois tipos principais de Provas no Ciclismo de Estrada: Resistência - para homens e para mulheres e Contrarrelógio - os ciclistas partem de dois em dois minutos e vence quem fizer o menor tempo, não é autorizada a formação de pelotão e no caso de ser alcançado por algum outro competidor, não é permitido aproveitar-se do vácuo. Além disto, é obrigatório guardar uma separação lateral de pelo menos dois metros de qualquer outro competidor. São provas que acontecem em um único dia, possuindo apenas uma Largada e uma Chegada. As Competições Internacionais oficiais de Ciclismo são organizadas pela Union Cycliste Internationale - UCI com sede na Suíça. No Brasil, as Competições oficiais são organizadas pela Confederação Brasileira de Ciclismo - CBC. Atualmente, as grandes potências mundiais do ciclismo são: Grã-Bretanha, Austrália, Estados Unidos e Alemanha.

Durante uma prova em que o vento lateral é muito forte, os ciclistas de um pelotão costumam se alinhar diagonalmente. Este posicionamento é conhecido como "leque" e serve para reduzir o impacto do vento sobre o corpo dos ciclistas e também sobre as bicicletas.

O Ciclismo de Estrada é uma das Modalidades do Ciclismo que consiste em corridas de longa distância em estradas, sendo um dos esportes que mais exige condicionamento físico de um atleta, no qual os competidores necessitam ter muita resistência, uma vez que podem ter que ficar até duas horas sentados em cima do selim de uma bicicleta.



O Ciclismo de Estrada nos Jogos Olímpicos - RIO 2016 -

A Modalidade Ciclismo de Estrada, nos Jogos Olimpíadas - RIO 2016, foi realizada nos dias 6, 7 e 10 de agosto, com a disputa de quatro provas. A Prova do Ciclismo de Estrada Contrarrelógio, que aconteceu no Pontal, é uma prova em que os ciclistas largam em intervalos regulares e precisam completar o percurso no menor tempo possível, nesta prova é importante a aerodinâmica da bicicleta e a posição do ciclista. A Prova de Ciclismo de Estrada de Resistência, que teve sua largada no Forte de Copacabana, todos os competidores partem juntos para uma corrida de longa distância, nela as bicicletas precisam ser leves, resistentes e confortáveis, uma vez que os ciclistas passam muitas horas pedalando.

Os Equipes traçam estratégias para ajudar o líder da Equipe: vale protegê-lo do vento, perseguir um ciclista e acelerar forte para desafiar os adversários.

O Brasil esteve representado por quatro ciclistas, dois homens e duas mulheres: Kleber da Silva Ramos e Murilo Antônio Fischer - Estrada Masculina e Clemilda Fernandes Silva e Flavia Oliveira Saraiva - Estrada Feminina, participando do dois Eventos de Resistência. O Brasil não participou das Provas de Contrarrelógio Masculina e Feminina. O melhor desempenho brasileiro coube a Flavia Oliveira Saraiva que terminou na sétima posição, na Prova de Estrada de Resistência Feminina.

O mapa ao lado mostra o circuito das duas Provas:

  • Circuito Estrada Contrarrelógio - a Prova ocorreu no Circuito Grumari, partindo do ponto descrito por PONTAL que foi o ponto de Largada e Chegada foram percorridas 4 voltas para os homens e 2 voltas para as mulheres totalizando: 54,5 km para homens e 29,8 km para mulheres.

  • Circuito Estrada de Resistência - a Largada foi no Forte de Copacabana e foi percorrido o circuito até Guaratiba onde os ciclistas retornavam passando pela Parque Nacional da Tijuca e desceram pelo Bairro do Jardim Botânico, seguindo até o Forte de Copacabana onde ficava a Chegada. O diferencial da prova ficou no Circuito da Vista Chinesa onde foram percorridas 2 voltas na Prova Masculina e apenas uma volta na Prova Feminina totalizando: 241,5 km para homens e 141 km para mulheres.


PARTICIPAÇÃO NO CICLISMO DE ESTRADA
TORNEIO MASCULINO E FEMININO
70 Países participaram das duas Modalidades
214 Ciclistas
4 Modalidades de Provas
12 Medalhas




PREMIAÇÃO DO CICLISMO DE ESTRADA
TORNEIOS MASCULINO E FEMININO
MODALIDADES DIA OURO PRATA BRONZE
Prova de Resistência Masculina 6 ago Greg Van Avermaet - BEL Jacolb Fuglsand - DEN Rafael Majka - POL
Prova de Resistência Feminina 7 ago Anna Van Der Breggen - NED Emma Johansson - SWE Elisa Longo Borghini - ITA
Prova Contrarrelógio Masculina 10 ago Fabian Cancellara - SUI Tom Dumoulin - NED Christopher Froome - GBR
Prova Contrarrelógio Feminina 10ago Kristin Armstrong - USA Olga Zabelinskaya - RUS Anna Van Der Breggen - NED


Eventos do Ciclismo de Estrada

A primeira foto mostra a Prova de Ciclismo de Estrada Masculina, os ciclistas saíram do Forte de Copacabana e pedalaram até o Pontal no Recreio dos Bandeirantes.
A segunda mostra as vencedoras da Prova de Ciclismo de Estrada Feminino: Medalha de Ouro para Anna Van Der Breggen - NED; Medalha de Prata para Emma
Johansson - SWE e Medalha de Bronze para Elisa Longo Borghini - ITA. As duas fotos foram obtidas no site do Globol Esporte da Rede Globo.



RIO 2016 - REGIÃO DA BARRA DA TIJUCA Basquetebol e Handebol Judô e Lutas Olímpicas Esgrima e Taekwando Ginástica Artística Ginástica Rítmica
Ginástica de Trampolim
Natação
Nado Sincronizado Polo Aquático
Saltos Ornamentais
Ciclismo de Pista
Tênis e Golfe
Levantamento
de Peso e Boxe
Tênis de Mesa
Badmington
Atletismo - Marcha Atlética
Ciclismo de Estrada


RIO 2016 - REGIÃO
DE COPACABANA
Maratona Aquática
Vôlei de Praia
Triatlo Vela Canoagem de Velocidade
Remo
Atletismo - Marcha Atlética
Ciclismo de Estrada



Retorna à página JOGOS OLÍMPICOS - RIO 2016
Retorna ao início da página