JOGOS OLÍMPICOS
RIO 2016
Os Jogos Olímpicos
no Rio de Janeiro
RIO 2016
Região do Maracanã
RIO 2016
Região da Barra da Tijuca
RIO 2016
Região de Copacabana
RIO 2016
Região de Deodoro

RIO 2016 - REGIÃO DA BARRA DA TIJUCA

GINÁSTICA RÍTMICA E GINÁSTICA DE TRAMPOLIM



Ginástica Rítmica

Um Breve Histórico do Esporte Ginástica Rítmica

A Ginástica Rítmica é uma modalidade de Ginástica praticada apenas por mulheres, é um esporte bastante plástico, que se destaca pela elegância e beleza dos movimentos, inicialmente foi chamada de Ginástica Moderna, e era uma combinação de técnicas de movimentos, terapia respiratória, terapia de relaxamento e dança, entre outros. Foi desevolvida nas primeiras décadas do Século XX após a Primeira Gurerra Mundial, em escolas do leste Europeu que inovavam as Modalidades da Ginástica Artística e as soviéticas sempre tiveram grande destaque na Modalidade. Em 1946, na Rússia, surgiu o termo "rítmica", pelo fato da Modalidade utilizar a música e a dança nos movimentos.

Em 1961 alguns países do leste Europeu organizaram o primeiro Campeonato Internacional da Modalidade e no ano seguinte, ela foi reconhecida pela Federação Internacional de Ginástica - FIG, logo depois os primeiros campeonatos começaram a ser realizados e e foram introduzidos os aparelhos: bola; arco e corda posteriormente foram utilizados a fita e as maças. Nos Jogos de Helsinque - 1952, a Ginástica Moderna foi incluída como esporte de demonstração. Dez anos depois o 41o Congresso da Federação Internacional de Ginástica reconheceu a Ginástica Moderna como Modalidade independente que foi rebatizada de Ginástica Rítmica Moderna.

A Ginástica Rítmica foi reconhecida pelo Comitê Olímpico Internacional e introduzida nos Jogos Olímpicos em Los Angeles - 1984, mas as melhores ginastas da época ficaram ausentes da competição devido ao boicote da União Soviética aos Jogos Olímpicos, a primeira ginasta a receber uma Medalha Olímpica de Ouro foi a canadense Lori Fung. Em Seul - 1988, o esporte conquistou o público e se popularizou. Em Atlanta - 1996, foi introduzida a competição de conjuntos nos Jogos Olímpicos e em 1963, foi realizado em Budapeste, na Hungria, o 1o Campeonato Mundial. Em 2003, seu nome foi reduzido para Ginástica Rítmica.

No Brasil a Ginástica Rítmica foi introduzida pela professora Ilona Peuker, da Hungria, que chegou na Cidade do Rio de Janeiro na década de 1950, quando ministrou vários cursos para profissionais da educação. Esta professora formou a primeira equipe competitiva que alcançou grande sucesso devido a sua experiência e participação ativa na Ginástica Internacional. O Brasil participou pela primeira vez de um Campeonato Mundial em 1971, na cidade de Copenhagen na Dinamarca, com uma ginasta da Equipe da professora Ilona, Daise Barros. Com a criação da Confederação Brasileira de Ginástica, no ano de 1978, esta Modalidade começou a evoluir devido ao apoio recebido, resultando na classificação de ginastas para disputarem Jogos Olímpicos.

As equipes brasileiras obtiveram vitória em três Pan-americanos, nos exercícios de conjunto: Winnipeg no Canadá, classificando o Brasil para a Olimpíada de Sydney - 2001; Santo Domingo classificando o Brasil para a Olimpíada de Atenas - 2004 e no Rio de Janeiro em 2007, classificando o Brasil para as Olimpíada de Pequim - 2008. Em duas Olimpíadas com a participação da Equipe Brasileira o Brasil obteve o 8o lugar na Modalidade por Equipe.



APARELHOS DA GINÁSTICA RÍTMICA
CORDA O aparelho Corda para Ginástica Rítmica pode ser de sisal ou qualquer material sintético dede que seja flexível, com o comprimento variando de acordo com o tamanho da ginasta, as extremidades da corda podem ser recobertas com material antiderrapante em cor neutra. Esse aparelho possui também nós em suas extremidades. Os exercícios podem ser realizados com a corda aberta ou dobrada. As ginastas lançam e recuperam a corda executando saltos, giros, ondulações e equilíbrio. O exercício corporal predominante no aparelho é o salto.
ARCO O aparelho Arco deve medir entre 80 a 90 cm de diâmetro e pesar no mínimo 300gr. Não existe um exercício corporal predominante para o aparelho Arco. O Arco é feito de madeira ou plástico, sendo importante que o material não deforme e nem seja muito pesado, mas deve ser rígido. Este equipamento define um espaço, que deve ser usado plenamente pela ginasta, movendo-se de acordo com o círculo formado. São feitas frequentes trocas de mãos que exige uma uma perfeita coordenação dos movimentos. O Arco favorece rolamentos, passagens, rotações, saltos e pontes e deve haver um equilíbrio entre os exercícios apresentados: salto, equilíbrio, pivots, flexibilidade e ondas.
BOLA O aparelho Bola deve ter de 18 a 20 cm de diâmetro externo, pesar 400 gr no mínimo e ser de borracha. O exercício corporal predominante do aparelho Bola é a flexibilidade e ondas. Único aparelho que não é permitido permanecer em contínuo contato com a ginasta, a bola deve estar em constante movimento pelo corpo ou em equilíbrio. A jogada é recuperada com controle e precisão, é um elemento dinâmico que valoriza a série da ginasta. Os elementos corporais devem ser executados sobre o apoio de um ou dois pés ou qualquer outra parte do corpo e devem ter forma fixa, ampla e bem definida.
MAÇAS O aparelho Maças é composto de duas maças de 40 a 50 cm e cada uma deve pesar 150 gr no mínimo, são feitas de madeira ou plástico. A parte mais grossa é chamada de corpo, a parte mais afilada, de pescoço e a parte formada por uma esfera de 3 cm de diâmetro é a cabeça. Delicadeza das mãos é fundamental para se trabalhar bem com esse aparelho. A ginasta usa as maças para executar rolamentos, círculos, curvas e formar o número máximo possível de figuras assimétricas, combinando-as com várias figuras formadas apenas pelo corpo. Exercícios com as maças requerem alto grau de ritmo, coordenação e precisão para boas recuperações.
FITA

O aparelho Fita deve ter 6 metros no mínimo, pesar 35 gramas, a largura deve ter entre 4 a 6 cm e o material pode ser de cetim de qualquer qualidade e não pode ser engomada. É considerado o aparelho mais plástico da Ginástica Rítmica e é composto por duas partes: o estilete, uma vareta que segura a fita e que pode ser feito de madeira, bambu, plástico ou fibra de vidro e deve medir 0.5 cm de diâmetro e ter entre 50 e 60 cm de comprimento. Sua forma pode ser cilíndrica, cônica ou uma combinação das duas formas. Longa, pode ser lançada em qualquer direção para criar desenhos no espaço, formando imagens e formatos de todos os tipos. Serpentinas, espirais e arremessos exigem da ginasta coordenação, leveza, agilidade e plasticidade.



A Ginástica Rítmica nos Jogos Olímpicos - RIO 2016 -

As apresentações ocorrem no solo e com trilha sonora, constituindo um espetáculo completo. A disciplina tem cinco aparelhos – Corda, Bola, Arco, Fita e Maças, mas apenas quatro são exibidos a cada edição dos Jogos Olímpicos, conforme rodízio definido pela Federação Internacional de Ginástica. Nos Jogos RIO 2016, a Corda ficou de fora. Duas bancas de árbitros avaliam as apresentações nas seguintes categorias: dificuldade e execução. A classificação é feita de acordo com as notas obtidas, vence a ginasta que conseguir a maior nota.

PARTICIPAÇÃO NA GINÁSTICA RÍTMICA
TORNEIO FEMININO
60 Países participaram das três Modalidades de Ginástica
186 Ginastas participaram da Ginástica Artística e Rítmica
2 Modalidades de Provas na Ginástica Rítmica
6 Medalhas para a Ginástica Rítmica

As Provas da Ginástica Rítmica são: Individuais e por Equipes, nelas existe uma programação pré-determinada de aparelhos. As Provas Individuais têm duração de 75 segundos para cada um dos quatro aparelhos apresentados. As Provas por Equipes são compostas por cinco atletas e têm duração de 150 segundos, são disputadas duas provas: uma em que as cinco atletas se utilizam do mesmo aparelho e outra em que são usados dois aparelhos diferentes.

A Modalidade Ginástica Rítmica, foi realizada entre os dias 19 e 21 de agosto, com a disputa de duas Provas, ambas Femininas. O Brasil participou da competição com seis ginastas, seu melhor desempenho foi na Prova de Equipe na qual se classificou na nona posição. A única ginasta que participou da Prova Individual foi Natalia Gaudio. Das seis Medalhas distribuídas na Modalidade Ginástica Rítmica a Rússia conquistou três: duas de Ouro e uma de Prata.

A Arena Olímpica do Rio construída para o Pan 2007 foi o Palco que compartilhou as Competições das três Modalidades de Ginástica: Artística, Rítmica e de Trampolim.

EQUIPE DO BRASIL NA GINÁSTICA RÍTMICA
Natalia Gaudio
Emanuelle Lima
Francielly Machado
Gabriela Moraes
Jessica Maier
Morgana Gmanch
PREMIAÇÃO DA GINÁSTICA RÍTMICA
TORNEIO FEMININO
Modalidade Dia Ouro Prata Bronze
Individual 20 ago Margarita Mamum - RUS Yana Kudryavtsena - RUS Ganna Rizatdinova - UKR
Equipe 21 ago RÚSSIA ESPANHA BULGÁRIA


Eventos da Ginástica Rítmica

Acima o primeiro conjunto mostra a ginasta da Rússia Margarita Mamum em suas apresentações com a Fita e com as Maças e no segundo a ginasta do Azerbaijão Marina
Durunda em suas apresentações com a Fita, as Maças e a Bola. No primeiro conjunto abaixo a ginasta do Brasil Natalia Gaudio em sua apresentação com o Arco, no segundo
as ginastas Son Yeon Jae da Coréia do Sul com as Maças e a Bola e Melitina Staniouta da Bielorússia com a Bola.

No primeiro conjunto acima pode se ver a ginasta da Rússia Yana Kudryavtseva em suas apresentações com a Bola e com as Maças, no segundo as ginastas da Espanha
Carolina Rodriguez e da França Kseniya Moustafaeva nas apresentações com a Bola. No primeiro conjunto abaixo a ginasta da Ucrânia Ganna Rizatdinova em suas
apresentações com a Bola e com a Fita, no segundo a ginasta da Bielorússia Halkina Katsiaryna em suas apresentações com a Fita, a Bola e as Maças.

No primeiro conjunto acima vemos a apresentação das Equipes de Israel com a Fita e da Bielorússia com o Arco e as Maças, no segundo as Equipes da Itália, da Espanha e da
Ucrânia com o Arco e as Maças. No primeiro conjunto abaixo a Equipe do Japão e no segundo da Rússia na Final de Equipes nas apresentações com Arco e Maças e com a Fita.

Os dois conjuntos de fotos acima mostram a premiação da Ginástica Rítmica. A primeira na Apresentação Individual com as vencedoras: Medalha de Ouro para Margarita
Mamum da Rússia; Medalha de Prata para Yana Kudryavtsena da Rússia e a Medalha de Bronze para a Ganna Rizatdinova da Ucrânia. A segunda a premiação das Equipes
vencedoras: Medalha de Ouro para a Rússia; Medalha de Prata para a Espanha e Medalha de Bronze para a Bulgária.

Retorna ao Início da Página



Ginástica de Trampolim

Um Breve Histórico do Esporte Ginástica de Trampolim

O Trampolim Acrobático ou Ginástica de Trampolim é uma disciplina da Ginástica, na qual o atleta executa saltos acrobáticos num Trampolim. Foi criado em 1936 nos Estados Unidos pelo professor de Educação Física George Nissen, ele construiu uma cama elástica na garagem de sua casa e começou a praticar o esporte e pensar em suas regras. Mas as origens desta prática remontam à acrobacias e movimentos executados pelos trapezistas de circo em Trampolim, durante a Idade Média, a partir de saltos realizados com impulso da rede de segurança. Em 22 de março de 1964, foi criada em Londres a Federação Internacional de Trampolim Acrobático - FIT, no mesmo ano foi disputado o primeiro Mundial da Modalidade, com 12 países.

Na década de 1980, teve início um movimento para que a Modalidade fosse reconhecida pelo Comitê Olímpico Internacional - COI, não sem antes ter que passar por uma polêmica discursão sobre qual organização deveria ficar encarregada da regulamentação do novo esporte e depois de um longo processo político, a incorporação aconteceu em 1999 com a decissão de que o Trampolim deveria ser integrado à Federação Internacional de Ginástica - FIG, quando passou a ser chamada de Ginástica de Trampolim.

No Brasil a Modalidade chegou através do Professor José Martins Oliveira Filho em 1975, recém chegado da Alemanha após um curso de especialização em Colônia. Em 1990, o Brasil participou pela primeira vez de um Campeonato Mundial da Modalidade, que foi realizado na Alemanha. Em 1991 foi criada a Confederação Brasileira de Trampolim Acrobático - CBTA. O Trampolim pode ser considerado uma Modalidades muito nova no contexto esportivo, e não faz muito tempo que a Ginástica de Trampolim, fez sua estréia como Modalidade Olímpica, nos Jogos Olímpicos de Sydney - 2000.

O principais saltos classificados pela Federação Internacional de Ginástica são: Adolf - salto mortal para frente com 3 piruetas e meia; Back - salto mortal para trás; Barani - salto mortal para frente com meia volta; Double Full - salto mortal com duas piruetas; Miller - duplo mortal com 3 piruetas; Pike - salto mortal carpado; Side - salto mortal lateral; Straight - salto mortal com o corpo esticado; Triple back - salto triplo mortal para trás.

As áreas ao redor do Trampolim devem ser revestidas por piso de borracha e o recinto em que são realizadas as competições deve ter no mínimo 8 metros de altura. O Trampolim tem 5,05 metros de comprimento por 2,91 metros de largura e a rede tem 4,28 metros de comprimento por 2,14 metros de largura. O país que mais se destaca na Ginástica de Trampolim na atualidade é a China, seus ginastas homens e mulheres já ganharam onze Medalhas Olímpicas no esporte: três de Ouro, duas de Prata e seis de Bronze.



A Ginástica de Trampolim nos Jogos Olímpicos - RIO 2016 -

O Trampolim é o mais novo dos aparelhos de Ginástica no Programa Olímpico, mas suas disputas fascinam pela beleza plástica e o espírito lúdico das apresentações. Com o auxílio do Trampolim, os ginastas podem atingir até oito metros de altura do chão e saltando em um Trampolim, os ginastas devem realizar saltos acrobáticos no ar. Cada ginasta realiza uma séries de 10 elementos, com saltos simples e duplos, com e sem piruetas. Após o sinal do árbitro-chefe da banca, o ginasta tem até um minuto para iniciar sua apresentação.

PARTICIPAÇÃO NA GINÁSTICA DE TRAMPOLIM
TORNEIOS MASCULINO E FEMININO
60 Países participaram das três Modalidades de Ginástica
32 Ginastas na Ginástica de Trampolim
2 Eventos
6 Medalhas

Os movimentos são avaliados por um júri, que dá as notas de zero a dez, de acordo com a execução, o nível de dificuldade e o tempo de voo do atleta em cada série. Os ginastas podem competir com meias ou sapatilhas próprias para o Trampolim, mas apresentar-se com os pés descalços é proibido. O programa Olímpico é formado apenas de eventos individuais. Durante as apresentações as pessoas devem permanecer sentadas e em silêncio e o uso de flash e aparelhos com alta luminosidade não é permitido, os celulares devem permanecer desligados ou em modo silencioso.

O Brasil teve um único representante do Torneio Masculino na Competição de Ginástica de Trampolim e não teve representante no Torneio Feminino. O representante do Brasil Rafael Andrade terminou na décima quinta colocação. Das seis Medalhas distribuídas na Moldalidade Ginástica de Trampolim a China conquistou três: uma de Prata e duas de Bronze.

No RIO 2016 ocorreu uma importante competição entre o ginasta chinês Dong Dong, bicampeão da Modalidade Ginástica de Trampolim e o bielorússo Uladzislan Hancharou que terminou vencendo a Prova Individual e ganhando a Medalha de Ouro, deixando Dong Dong com a Medalha de Prata. A Medalha de Bronze ficou com o atual Campeão Mundial o chinês Lei Gao. Torneio de Titãs.



PREMIAÇÃO DA GINÁSTICA DE TRAMPOLIM
TORNEIO MASCULINO TORNEIO FEMININO
Dia 13 ago Dia 12 ago
OURO - Uladzislan Hancharou - BLR OURO - Rosannagh Maclennan - CAN
PRATA - Dong Dong - CHN PRATA - Bryong Page - GBR
BRONZE - Lei Gao - CHN BRONZE - Dan Li - CHN


Eventos da Ginástica de Trampolim

A foto mostra o vencedor da Modalidade Ginástica de Trampolim Individual Masculina, o bielorusso Uladzislan Hancharou.


RIO 2016 - REGIÃO DA BARRA DA TIJUCA Basquetebol e Handebol Judô e Lutas Olímpicas Esgrima e Taekwando Ginástica Artística Ginástica Rítmica
Ginástica de Trampolim
Natação
Nado Sincronizado Polo Aquático
Saltos Ornamentais
Ciclismo de Pista
Tênis e Golfe
Levantamento
de Peso e Boxe
Tênis de Mesa
Badmington
Atletismo - Marcha Atlética
Ciclismo de Estrada



Retorna à página JOGOS OLÍMPICOS - RIO 2016
Retorna ao início da página