JOGOS OLÍMPICOS
RIO 2016
Os Jogos Olímpicos
no Rio de Janeiro
RIO 2016
Região do Maracanã
RIO 2016
Região da Barra da Tijuca
RIO 2016
Região de Copacabana
RIO 2016
Região de Deodoro

RIO 2016 - REGIÃO DA BARRA DA TIJUCA

POLO AQUÁTICO E SALTOS ORNAMENTAIS



Polo Aquático

Um Breve Histórico do Esporte Polo Aquático

A paixão dos britânicos pelo Futebol acabou inspirando a criação de uma Modalidade completamente diferente, disputada dentro de uma piscina e utilizando apenas as mãos: o Polo Aquático no início conhecido também como "futebol aquático", com o crescimento de piscinas na Europa a Associação de Natação de Londres elaborou, em 1870, as primeiras regras para a disputa em ambiente coberto. Os escoceses aperfeiçoaram-se na tática, os jogadores passaram a ser velozes nadadores, hábeis nos passes e no drible e bons de pontaria. A primeira partida oficial foi disputada em 1876, apenas seis anos depois de seu surgimento como uma brincadeira para hóspedes de um hotel. Em 1880, já foi disputada a primeira Competição Internacional, mas em 1888, veio uma mudança drástica: a criação dos gols, porque até então, os pontos eram marcados quando a bola passava da linha de fundo. Esse detalhe, ajuda a desvendar a origem de seu nome, porque o Polo tradicional também se caracterizava pela marcação de pontos após a bola passar pela linha de fundo.

Mesmo tendo sido regulamentado oficialmente apenas em 1911, o Polo Aquático marcou presença já na segunda edição dos Jogos Olímpicos, em Paris - 1900, foi o primeiro esporte coletivo a fazer parte das Olimpíadas, mas o Torneio Feminino só ingressou nos Jogos em Sidney - 2000, e as norte-americanas nunca estiveram fora do Pódio, um feito quase igualado pelas australianas, que só ficaram ausentes em Atenas - 2004. Por muitos anos, a Modalidade foi dominada pela truculência e pela força física de seus praticantes, mas, aos poucos, a técnica foi ganhando espaço e acabou se impondo. Algumas regras ajudaram no processo, como o aumento da profundidade das piscinas e a limitação de tempo por posse de bola para 35 segundos. O primeiro Campeonato Mundial da Modalidade foi disputado em 1973 e conquistado pela Hungria, seleção que domina o cenário do esporte. Com 15 Medalhas Olímpicas na bagagem, os húngaros só são superados por uma equipe entre todos os esportes: a Seleção Norte-Americana de Basquete. Os Estados Unidos conquistaram 14 Medalhas de Ouro nas quadras e a seleção Húngara de Polo Aquático vem em segundo lugar, com 9 conquistas.

A Hungria chegou a Londres - 2012 com a possibilidade de igualar o feito da Seleção Britânica que foi vitoriosa nas quatro primeiras edições nas quais o Polo Aquático foi disputado nas Olimpíadas. Campeões em Sydney - 2000, Atenas - 2004 e Pequim - 2008, os húngaros tiveram a chance de igualar o feito, mas o sonho virou decepção, com o quinto lugar em Londres. Em 21 participações em Jogos Olímpicos a Hungria não subiu ao pódio no Masculino apenas seis vezes. A Hungria tem em sua história alguns dos maiores jogadores da história do Polo Aquático, um deles é Dezsö Gyarmati, considerado por muitos o melhor de todos os tempos, como jogador, participou de cinco edições dos Jogos, entre 1948 e 1964. Nesse período, ajudou os húngaros a conquistarem três Ouros, uma Prata e um Bronze e como técnico da Hungria ganhou o Ouro em Montreal - 1976. A família de Gyarmati tem tradição em ganhar Medalhas em Olimpídas. Nos últimos 20 anos, outros países como a Iugoslávia, Itália, Espanha e Estados Unidos, disputaram com os húngaros o lugar mais alto no Pódio.

O Polo Aquático surgiu no Brasil no início do Século XX, pelas mãos de Flávio Vieira que foi o responsável pela introdução do esporte nos clubes do Rio de Janeiro, como o Clube Regatas Botafogo, Clube de Regatas Vasco da Gama, Clube de Regatas do Flamengo e o Natação e Regatas. Os jogos eram realizados na praia, com times formados por 11 jogadores assim como no Futebol. A primeira partida conhecida foi disputada na Praia de Santa Luzia em 1908, entre o Natação e Regatas e o Flamengo. O Brasil participou seis vezes de Olimpíadas: na primeira em Antuérpia - 1920, foi eliminado na fase inicial; em Los Angeles - 1932, a Equipe Brasileira foi desclassificada por agressão e por longo tempo suspensa das Competições Internacionais, diminuindo o interesse das pessoas pelo esporte; só em 1946, quando o Brasil venceu o Sul-americano no Rio de Janeiro, é que o Polo Aquático brasileiro retornou ao Cenário Mundial e participou ainda de 1960, 1964, 1968 e 1984, mas de forma discreta.

Dois personagens estrangeiros foram de fundamental importância para a evolução do Polo Aquático no Brasil. Na década de 50, o Fluminense contratou o técnico italiano Paolo Costoli, que introduziu novos métodos de treinamento e modernizou o estilo de jogo dos brasileiros. Nos anos 60, o húngaro Aladar Szabo, como jogador, foi o responsável por passar a experiência da Escola Húngara para os brasileiros, ele foi trazido para o Brasil pelo jogador de Polo Aquático João Havelange. Esse período é considerado o mais próspero do esporte no Brasil. Nos dias de hoje, o Polo Aquático brasileiro vem conquistando bons resultados nas Competições Internacionais. A Seleção Feminina conseguiu uma Medalha de Bronze no Pan-americano de Winnipeg - 1999 e em 2000, a Equipe Masculina conquistou o Sul-americano realizado na Argentina. As categorias de base também vêm conquistando excelentes resultados tanto no Masculino como no Feminino.

Desde que foi introduzido no país, a rivalidade entre paulistas e cariocas é uma característica do esporte. Mas foi exatamente em São Paulo que a Modalidade alcançou seu melhor momento, nos Jogos Pan-americanos de 1963, o Brasil conquistou a Medalha de Ouro e a seleção com grande contigente paulista, disputou as Olimpíadas de 1964 e 1968, as últimas para as quais o Brasil obteve classificação. A mais recente participação brasileira foi em Los Angeles -1984, mas dessa vez o país entrou como convidado em razão do boicote soviético à Olimpíada realizada nos Estados Unidos.

Para uma partida oficial de Polo Aquático, as balizas devem ser postas frente a frente com distâncias entre si de no mínimo 20m e no máximo 30m. A largura do campo deve ser de no mínimo 10m e no máximo 20m. O limite de campo de jogo, nas extremidades, é marcado 30cm atrás da linha de gol. No canto mais próximo do banco de reservas atrás da linha de gol, há um retângulo de cor vermelha que delimita a área de reentrada dos jogadores, é por ela que as substituições são feitas e quando um jogador é excluído por 20 segundos a área de exclusão é a mesma. Existem dois tipos de bola: uma para as mulheres e outra para os homens. A bola deve ter não menos que 400g e não mais que 450g. Para os homens a circunferência da bola deve estar entre 68 e 71 centímetros e para as mulheres deve estar entre 65 e 67 centímetros.

As equipes são formadas por 13 jogadores, jogam 7 jogadores de cada equipe sendo um guarda-redes e seis jogadores de linha que podem ser substituídos durante o desenrolar da partida, durante pedidos de tempo ou quando for gol. Seis jogadores são os suplentes que podem entrar durante o desenrolar da partida. O objetivo do jogo é marcar gols e a equipe que marcar um número maior de gols vence a partida.

A Federação Internacional de Natação - FINA é o Organismo Internacional responsável pela organização de Eventos e Campeonatos de Polo Aquático a nível mundial. No Brasil, a Confederação Brasileira de Desportos Aquáticos - CBDA realiza Campeonatos e organiza o desporto. A competição de Polo Aquático mais importante é a Liga Mundial, o Campeonato Mundial realizado a cada dois anos é outra competição importante do calendário. A FINA também realiza, a cada 4 anos, o Campeonato do Mundo de Polo Aquático.



O Polo Aquático nos Jogos Olímpicos - RIO 2016 -

A Modalidade Polo Aquático nos Jogos Olímpicos - RIO 2016, foi realizada entre os dias 6 e 20 de agosto, com a disputa de duas Provas: o Torneio Masculino com 12 equipes e o Torneio Feminino com 8 equipes. Participaram 14 países porque seis países tiveram Equipes Masculinas e Femininas. Cada equipe disputa as partidas com sete jogadores, mas dispõe de seis reservas.

Na Fase Preliminar, todas as equipes se enfrentaram, as doze equipes do Torneio Masculino foram divididas em dois grupos de seis equipes e as oito equipes do Feminino em dois grupos de quatro equipes. As quatro melhores equipes em cada grupo do Torneio Masculino seguiu para as Quartas-de-Final e para as Finais.

PARTICIPAÇÃO E PREMIAÇÃO DO POLO AQUÁTICO
TORNEIO MASCULINO TORNEIO FEMININO
12 Equipes 8 Equipes
156 Nadadores 104 Nadadoras
MEDALHAS
Ouro - SÉRVIA Ouro - ESTADOS UNIDOS
Prata - CROÁCIA Prata - ITÁLIA
Bronze - ITÁLIA Bronze - RÚSSIA

No Torneio Feminino, a Fase Preliminar não foi Eliminatória, serviu apenas para determinar os confrontos decisivos, a partir das Quartas-de-Final, que contou com a participação das mesmas oito equipes. Nas Quartas-de-Final as equipes vencedoras ganhavam dois pontos, enquanto que as equipes que empatam somavam um ponto cada.

Quando duas ou mais equipes terminam a Fase empatadas, para definir a classificação são considerados: os confrontos diretos e os resultados contra o primeiro do grupo e, se permanecer indefinido, contra o segundo do grupo e contra o terceiro. A Fase Eliminatória foi realizada no sistema mata-mata em que o vencedor passa para a fase seguinte. Os vencedores das Semifinais disputam a Medalha de Ouro e a de Prata enquanto os perdedores disputam a Medalha de Bronze. Há jogos entre os desclassificados para definir sua posição na classificação do Torneio. Não há empate nas fases de mata-mata, se um jogo terminar empatado no tempo normal as equipes disputam uma prorrogação. Se o empate persistir há uma disputa de pênaltis, com as equipes se alternando até desempatar.

Os jogos Preliminares foram disputados no Centro Aquático Maria Lenk, as Finais no Centro Aquático Olímpico, ambos do Centro Olímpico do Rio - COR. O Centro Aquático Olímpico foi uma Arena temporária a ser demolida após os Jogos Olímpicos - RIO 2016.

Em comparação com alguns esportes de Equipe, 32 minutos divididos em quatro períodos de oito minutos parecem pouco tempo. No entanto, sem poder pôr os pés no fundo da piscina, os nadadores se esforçam sem parar, nadando até 5km por partida. Com exceção do goleiro, os jogadores não podem segurar a bola com as duas mãos. Também não é permitido apoiar-se, pegar impulso a partir do gol ou das bordas da piscina, socar a bola ou espirrar água contra o oponente de propósito. O Brasil esteve representado por vinte e seis jogadores, treze homens e treze mulheres participando dos dois Eventos e terminou com as duas seleções na oitava posição.



EQUIPE DO BRASIL NO POLO AQUÁTICO
EQUIPE MASCULINA EQUIPE FEMININA
Slobodan Soro Jonas Crivella Tess Oliveira Diana Abla
Ruda Franco Ives Alonso Marina Zablith Marina Canetti
Paulo Salemi Bernado Oneto Gomes Lucianne Barroncas Izabella Chiappini
Adrian Baches Felipe da Costa e Silva Amanda Oliveira Luiza Carvalho
Bernardo Rocha Felipe Perrone Camila Pedrosa Viviane Bahia
Gustavo Guimarães Josip Vrlic Mariana Duarte Gabriela Mantellato
Vinicius Antonelli Victoria Chamorro


Eventos do Polo Aquático

As duas fotos acima mostram o Centro Aquático Olímpico, Palco dos jogos Finais de Polo Aquático. Os conjuntos de fotos abaixo mostram: o primeiro a partida entre Itália e Austrália realizada em 11 de agosto no Centro Aquático Maria Lenk pelo Torneio Feminino, tendo como vencedora a equipe da Itália por 8x7; a segunda a partida entre Brasil e Espanha realizada em 20 de agosto no Centro Aquático Olímpico pelo Torneio Masculino, nas Semifinais quando o Brasil perdeu para a Espanha por 9x8 e ficou em oitavo lugar na competição.

Retorna ao Início da Página



Saltos Ornamentais

Um Breve Histórico do Esporte Saltos Ornamentais

A história dos Saltos tem origem na Grécia Antiga, onde era praticado por pessoas que moravam a beira mar, eles pulavam de rochedos mergulhando para o fundo do mar. A prática foi levada para o norte da Europa, principalmente para a Alemanha e a Suécia, onde a Ginástica era muito popular. Durante os verões a aparelhagem dos ginastas era transferida para a praia e montada em plataformas altas para possibilitar a execução dos seus movimentos acima da água. Uma prática recreativa que sob a luz dos indícios arqueológicos, de brincadeira passou a ser preparatória para a partir do Século XVII treinar a Gnástica, já que nos países europeus o esporte era bastante popular tanto como forma de expressão, quanto como preparação militar. Entre os aparelhos utilizados o mais importante era o Trampolim, que impulsionava os atletas para o Salto, não somente para a queda.

Em 1871, ocorreu a primeira competição documentada: um torneio no qual os atletas saltavam de uma ponte, na cidade de Londres, Inglaterra. Foi lá que, no século XIX, o esporte ganhou o padrão moderno de disputas. Como consequências do despreparo inicial, os saltadores, que não conheciam a profundidade das águas se machucavam gravemente. Ao redor da Europa, as primeiras disputas foram em Provas de Plataforma, quando levado aos Estados Unidos já em forma de esporte, começou a ser realizado no Trampolim.

Em 1901 foi fundada a Associação Amadora de Saltos, o que deu definitivamente um caráter esportivo à brincadeira do passado. Com regras internacionais descritas pelos países fundadores da Federação Internacional de Natação - FINA, a Prova de Saltos foi incluída nos Jogos Olímpicos de Saint Louis - 1904, somente para Provas Masculinas, a participação Feminina teve sua estréia nos Jogos de Estocolmo - 1912. Após a 1a Guerra Mundial, os suecos e alemães dominaram as Provas de Trampolim e Plataforma respectivamente. Após a guerra os americanos passaram a ser o destaque até os anos 90 quando teve início o domínio chinês. Desde a Olimpíada de Seul - 1988, o Saltos Ornamentais tem sido um dos seis esportes Olímpicos mais procurados pelo público.

No Brasil a primeira piscina construída com aparelhagem para essa Modalidade, foi no Fluminense Football Clube, Rio de Janeiro em 1919, apesar de já existir um Trampolim montado sobre o Rio Tietê que pertencia ao Clube Espéria em São Paulo. A primeira Competição Nacional foi realizada em 1913 na Enseada de Botafogo no Rio de Janeiro. Temos no Brasil aproximadamente 70 piscinas aptas à prática do esporte, somente no Estado de São Paulo existem 45.

Com o passar dos anos o desporto foi se modernizando, conquistando adeptos, melhorando as técnicas de Saltos e de segurança e na Olimpíada de Sidney - 2000 ganharam as Provas Olímpicas Sincronizadas, tanto no Trampolim quanto na Plataforma. Considerada uma Modalidade esportiva de precisão, como as Ginástica e o Nado Sincronizado, os Saltos Ornamentais requerem como capacidades básicas: a força, a flexibilidade, a coordenação neuro-muscular, a consciência corporal e a orientação espacial. Além disso, requer do saltista o desenvolvimento de habilidades como audácia, coragem, perseverança, autoconfiança e concentração para a realização precisa dos movimentos, realizados no espaço limite de dez metros e em um tempo de poucos segundos.

Ao classificar o Salto em uma das categorias de julgamento, certas partes de cada salto devem ser analisadas e avaliadas, e uma nota é obtida para o conjunto. As partes de um Salto são: Aproximação; Saída; Subida; Execução que é a parte mais importante, pois este é o salto propriamente dito; Entrada na água quando são avaliados o ângulos de entrada, que deve ser o mais próximo da vertical possível, e a quantidade de água espirrada, que deve ser a menor possível. Sete juizes são usados e nas principais Competições, as duas maiores e a duas menores notas são eliminadas e as notas que permanecem são somadas e o número encontrado deve ser multiplicado pelo grau de dificuldade dado ao Salto, que é estabelecido numa tabela. O Salto pode ser na Plataforma ou no Trampolim que é uma espécie de Plataforma Flexível no sentido vertical, que exige maior perícia do saltista e permite a execução de Saltos que envolvam uma subida maior. Nesta Modalidade, o brasileiro César Castro vem se consolidando como um dos melhores saltistas do mundo, estando entre os 10 melhores no ranking mundial.

Todos os competidores são avaliados do momento em que saltam da base até o instante em que a última parte do corpo desaparece dentro da piscina. Antes da Competição, todos os saltistas devem apresentar uma lista com todos os Saltos que irão realizar caso não seja cumprido o programa sua nota será zero. O saltista tem uma lista de pelo menos 82 tipos de Saltos com diferentes níveis de dificuldade. Nas competições de Saltos Sincronizados dois atletas pulam ao mesmo tempo e são avaliados por nove juízes, quatro deles avaliam os saltistas individualmente e os outros cinco fazem a avaliação do conjunto.



GRUPO DE MOVIMENTOS QUE PODEM SER PRATICADOS NOS SALTOS ORNAMENTAIS - 6 GRUPOS
1 - MOVIMENTO PARA A FRENTE A saída é de frente para a água e execução para a frente - o saltista começa olhando a água e roda em direção à água sem mudar de posição de chegada que será de frente. Os saltistas neste grupo podem variar de um Salto Simples para a frente ao difícil Salto Quádruplo e Meio Mortal para frente.
2 - MOVIMENTO DE COSTAS A saída é de costas para a água e execução para trás - o saltista posiciona-se no final do Trampolim de costas para a água e sua direção da rotação é sempre para trás para longe da plataforma. Todos os Saltos para trás se iniciam com o saltista na ponta do Trampolim com suas costas voltadas para a água.
3 - MOVIMENTO PONTA DE PÉ NA LUA A saída é de frente para a água e execução para trás - começa com o saltista voltado para a frente do Trampolim e terminam com uma rotação em direção à Plataforma.
4 - MOVIMENTO REVIRADO A saída é de costas para a água e a execução para frente - o saltista fica no fim da Plataforma / Trampolim com as costas voltada para a água e realiza uma rotação em direção do Trampolim ao contrário da rotação dos saltos de costas.
5 - MOVIMENTO PARAFUSO

Giro do corpo em torno de si, independentemente do tipo de saída - todos os Saltos com giros se incluem neste grupo, sejam eles para frente, para trás, reverso e para dentro. Devido às muitas combinações possíveis, este grupo inclui mais saltos que qualquer outro.

6 - MOVIMENTO EQUILÍBRIO

A saída em parada de mãos - o saltista realiza a parada de mãos, também conhecida como "Bananeira", posição em que o atleta deve permanecer por cinco segundos antes de realizar o Salto.



ALÉM DOS 6 GRUPOS DE MOVIMENTOS O SALTADOR DISPÕE DE POSIÇÕES CORPORAIS PARA
OS MOVIMENTOS - 4 POSIÇÕES
1
ESTICADA
Os pés devem estar juntos com as pontas esticadas e o corpo não pode estar flexionado na cintura e nos joelhos e a posição dos braços na variável. 2
CARPADA
O corpo deve estar flexionado na cintura, mas as pernas e o pés devem estar bem estendidos e a posição dos braços variável. Entre as pernas e o tronco, o ideal é que a posição gere um ângulo de 90 graus.
3
GRUPADA
O corpo junto ao quadril e joelhos, coxas puxadas contra o peito, tornozelos mantidos junto às nádegas. 4
LIVRE
É a opção de combinar diversas posições básicas.


Os Saltos Ornamentais nos Jogos Olímpicos - RIO 2016 -

A Modalidade Saltos Ornamentais, nos Jogos Olímpicos - RIO 2016, foi realizada entre os dias 7 e 20 de agosto, com a disputa de oito Provas,
quatro Masculinas e quatro Femininas com as mesmas Provas e sob as mesmas regras: Trampolim 3 metros; Plataforma 10 metros; Trampolim
3 metros Sincronizado e Plataforma 10 metros Sincronizado.

Os saltistas recebem pontos conforme a complexidade e a precisão de suas acrobacias. Os homens realizam seis Saltos, e as mulheres, cinco. Sete árbitros atribuem notas de 0 a 10 para cada Salto e as duas notas mais altas e as duas mais baixas são descartadas. A pontuação restante é somada e multiplicada em função da dificuldade dos Saltos. Nas Provas Sincronizadas os saltistas são avaliados por nove árbitros. Das 24 Medalhas dos Saltos Ornamentais os chineses conquistaram 10 Medalhas.

PARTICIPAÇÃO NOS SALTOS ORNAMENTAIS
TORNEIOS MASCULINO E FEMININO
29 Países
136 Saltistas
8 Provas
24 Medalhas

O Brasil esteve representado por nove saltistas: cinco homens e quatro mulheres, participando dos oito Eventos. As quatro duplas brasileiras terminaram na oitava colocação nas Provas Sincronizadas. O melhor desempenho brasileiro Individual coube a Cesar Castro que terminou na nona posição no Trampolim 3 metros Masculino.


EQUIPE DO BRASIL NOS SALTOS ORNAMENTAIS
EQUIPE MASCULINA EQUIPE FEMININA
MODALIDADE SALTISTA MODALIDADE SALTISTA
Trampolim 3 metros Cesar Castro Plataforma 10 metros e
Plataforma 10 metros Sincronizada
Ingrid Oliveira
Trampolim 3 metros Sincronizado Ian Matos Plataforma 10 metros Sincronizada Giovanna Pedroso
Trampolim 3 metros Sincronizado Luiz Felipe Ouretelo Trampolim 3 metros Sincronizado Tammy Takagi
Plataforma 10 metros e Plataforma 10 metros Sincronizada Hugo Parisi Trampolim 3 metros e
Trampolim 3 metros Sincronizado
Juliana Veloso
Plataforma 10 metros Sincronizada Jackson Rondinelli    



PREMIAÇÃO NOS SALTOS ORNAMENTAIS
TORNEIO MASCULINO
MODALIDADES DIA OURO PRATA BRONZE
Plataforma 10 metros Sincronizada 8 ago Aisen Chen e Yue Lin - CHN David Boudia e Steele Jihnson - USA Thomas Daley e Daniel Goodfellow
GBR
Trampolim 3 metros Sincronizado 10 ago Jack Laugher e Chris Mears - GBR Sam Dorman e Mike Hixon - USA Yuan Cao e Kai Qin - CHN
Trampolim 3 metros 16 ago Yuan Cao - CHN Jack Laugher - GBR Patrick Hausding - GER
Plataforma 10 metros 20 ago Aisen Chen - CHN German Sanchez - MEX David Boudia - USA
TORNEIO FEMININO
MODALIDADES DIA OURO PRATA BRONZE
Trampolim 3 metros Sincronizado 7 ago Tingmao Shi / Minxia Wu - CHN Tania Gagnotto / Francesca
Dalllape - ITA
Maddison Keeney / Anabelle
Smith - AUS
Plataforma 10 metros Sincronizada 9 ago Ruolin Chen / Huixia Lin - CHN Jun Hoong Cheong / Rinong Pandelela
Pamg - MAS
Meaghan Benfeito / Roseline
Felion - CAN
Trampolim 3 metros 14 ago Tingmao Shi - CHN Zi He - CHN Tania Gagnotto - ITA
Plataforma 10 metros 18 ago Qian Ren - CHN Yajie Si - CHN Meaghan Benfeito - CAN


Eventos dos Saltos Ornamentais

As duas fotos acima mostram comemorações dos saltistas vencedores de Provas de Saltos Ornamentais: a primeira as vencedoras da Prova Plataforma 10 metros
Feminina que deu a Medalha de Ouro à mais jovem atleta das Olímpíadas a chinesa Qian Ren de apenas 15 anos, a Medalha de Prata foi para outra chinesa Yajie Si
e a Medalha de Bronze para a canadense Meaghan Benfeito, que também foi a vencedora da Prova Plataforma 10 metros Sincronizada junto com a saltista Roseline
Felion e a segunda mostra o vencedor da Prova Plataforma 10 metros Masculino o chinês Aisen Chen que também foi o vencedor da Prova Plataforma 10 metros
Sincronizada Masculino junto com saltista Yue Lin. As fotos foram obtidas na Internet no site do UOL.


RIO 2016 - REGIÃO DA BARRA DA TIJUCA Basquetebol e Handebol Judô e Lutas Olímpicas Esgrima e Taekwando Ginástica Artística Ginástica Rítmica
Ginástica de Trampolim
Natação
Nado Sincronizado Polo Aquático
Saltos Ornamentais
Ciclismo de Pista
Tênis e Golfe
Levantamento
de Peso e Boxe
Tênis de Mesa
Badmington
Atletismo - Marcha Atlética
Ciclismo de Estrada



Retorna à página - JOGOS OLÍMPICOS - RIO 2016
Retorna ao início da página