RIO 2007 Os Jogos Pan-americanos
no Rio de Janeiro
Os Locais
das Competições
Momentos de
Grandes Emoções
Os Jogos Parapan-
americanos

OS JOGOS PAN-AMERICANOS NO RIO DE JANEIRO



Um Breve Histórico dos Jogos Pan-americanos

Os Jogos Pan-americanos são regidos pela Organização Desportiva Pan-Americana - ODEPA que reúne os Comitês Olímpicos Nacionais dos países do continente americano. A ODEPA foi fundada em 8 de agosto de 1948 e seu principal objetivo é a realização dos Jogos Pan-americanos de quatro em quatro anos, sempre com dois anos de intervalo para os Jogos Olímpicos, visando fortalecer os laços de união e amizade entre os povos americanos e fomentar o desenvolvimento dos esportes no continente.

Ao longo de mais de 50 anos, os Jogos Pan-americanos jamais deixaram de ser disputados e passaram por cidades de todos os cantos do continente, do extremo Norte, como Winnipeg - Canadá, sede de duas edições do evento, em 1967 e 1999; até o Sul, como Mar Del Plata - Argentina, que recebeu os Jogos de 1995. A competição também já foi realizada em: Buenos Aires – Argentina em 1951 sede da primeira edição dos Jogos; Cidade do México - México em 1955; Chicago - Estados Unidos em 1959; São Paulo – Brasil em 1963; Cáli – Colômbia em 1971; novamente na cidade do México – México em 1975; San Juan - Porto Rico em 1979; Caracas – Venezuela em 1983; Indianápolis - Estados Unidos em 1987; Havana – Cuba em 1991 e Santo Domingo - República Dominicana em 2003.

A ODEPA congrega atualmente 42 países membros, que para fazerem parte da Organização necessitam ter seu Comitê Olímpico reconhecido pelo Comitê Olímpico Internacional – COI. Os países que participaram dos XV Jogos Pan-americanos são mostrados na página Abertura dos Jogos.

Retorna ao Início da Página



Os XV Jogos Pan-americanos - RIO 2007 -

Desde que o Rio de Janeiro foi escolhido para sediar os XV Jogos Pan-americanos que a cidade começou a se preparar para receber de forma adequada este evento tão importante para a cidade e a participação da população foi bastante intensa, criando em torno dos preparativos para os Jogos um clima cada vez mais contagiante.

Falar sobre a cidade na qual os Jogos foram realizados não é necessário porque existe todo este site se incumbindo de falar da História e das belezas da cidade, onde as pessoas poderão procurar à vontade qualquer assunto de seu interesse, acessando: SUA HISTÓRIA e SEUS ENCANTOS.

Para organizar os Jogos foi criado o Comitê Organizador dos XV Jogos Pan-americanos - RIO 2007 - CO-RIO, com a incumbência de fazer o planejamento e coordenar a execução de todas as atividades relacionadas ao evento. O CO-RIO foi uma entidade não-governamental, sem fins lucrativos, com prazo especificado para sua existência, dirigida pelo Comitê Olímpico Brasileiro - COB, com a participação de representantes da Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro, do Governo do Estado do Rio de Janeiro e do Governo Federal. O CO-RIO teve como: Presidente de Honra o Sr. João Havelange; como Presidente, Carlos Arthur Nuzman; como Vice-Presidente, André Gustavo Richer e como Secretário Geral, Carlos Roberto Osório.

A configuração e a forma de funcionamento do Comitê Organizador seguiram rigorosamente o estabelecido no Estatuto da ODEPA, na Carta Olímpica e no contrato de sede dos XV Jogos Pan-americanos RIO 2007 firmado entre a ODEPA, o Comitê Olímpico Brasileiro e a Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro.

Dois pontos importantes da preparação dos Jogos, que envolveram a população como um todo, foram: a criação do logotipo dos Jogos e da sua mascote.

O logotipo tomou como base os movimentos do esporte aliados ao arrojo do vôo, trazendo um pássaro como ponto de partida para retratar os recortes da paisagem da cidade, em especial o Pão de Açúcar. A repetição deste elemento, com cores, tamanhos e posições diferentes, representa a reunião das várias culturas das Américas, irmanadas e integradas. Já a tipologia do nome “RIO 2007” tem a modernidade da linguagem digital dos cronômetros e placares.

Na criação da sua mascote foi se buscar algo em que o Rio de Janeiro é famoso internacionalmente, a beleza de suas praias, freqüentada por banhistas em busca de sol. Nada mais adequado do que o astro-rei como símbolo dos XV Jogos Pan-americanos RIO 2007.

Amante da natureza, o solzinho lança seus raios sobre todos os participantes da competição, passando uma mensagem de paz, respeito ao meio ambiente, amizade e confraternização, valores intrínsecos ao movimento olímpico.

A palavra CAUÊ, foi escolhida para batizar a mascote em uma votação popular, vem da língua indígena tupi e é um nome próprio que significa “homem bondoso que age com inteligência”. Alguns escritores afirmam ainda que cauê é uma bebida tupi - kawi, que teria o poder de conferir poderes de bondade e sabedoria a quem a ingerisse, segundo a crença indígena.

Durante 16 dias, entre 12 e 29 de julho de 2007, 5.662 atletas praticantes de 34 diferentes modalidades esportivas, sendo 28 olímpicas, com representantes de 42 países das Américas estiveram nesta cidade, em busca de seus melhores resultados nas quadras, pistas, campos e piscinas de 29 instalações definitivas ou provisórias preparadas para o RIO 2007. Foram momentos marcantes para a história do esporte brasileiro e também para o Rio de Janeiro, momentos que ficarão registrados na História da cidade para sempre.

O Pan teve momentos inesquecíveis para todos aqueles que de alguma forma tiveram a oportunidade de estar presente ou acompanhar de alguma foram este evento que serviu para resgatar muito do orgulho que cada habitante da cidade sente por ela. Seguramente os Jogos Pan-americanos - RIO 2007 plantaram nesta cidade uma fonte de esperança.

O RIO 2007 foi sucesso de público: cerca de 1.900.000 ingressos foram vendidos para as competições em 6.000 postos de vendas, na sua organização trabalharam 15 mil voluntários. Cerca de 65 mil pessoas se credenciaram para os XV Jogos Pan-americanos, entre jornalistas, atletas, oficiais, voluntários e prestadores de serviço. Foram 700 horas de cobertura ao vivo pela TV.

Após os Jogos, em 5 de novembro de 2007, a Organização Desportiva Pan-americana – ODEPA considerou oficialmente os XV Jogos – RIO 2007 como a melhor edição de Jogos Pan-americanos da história, dando assim mais um reconhecimento internacional ao evento.

Outro reconhecimento coube à Abertura dos Jogos que ganhou o prêmio SportBusiness ISEMS Award de melhor cerimônia de evento esportivo. A premiação foi concedida pela International Sports Event Management and Security - ISEMS, que avaliou eventos realizados nos últimos 18 meses em várias partes do mundo. Para definir os vencedores do prêmio, o júri levou em conta, entre outros, o grau de inovação, criatividade e organização em algumas das principais competições esportivas do planeta.

"Estamos muito felizes por ganhar o prêmio ISEMS em sua edição inaugural e fazer parte de uma lista tão selecionada. É uma honra", afirmou Scott Givens, presidente da empresa FiveCurrents, responsável pela produção executiva da Cerimônia de Abertura dos Jogos sob a direção geral do Diretor de Marketing do Comitê Organizador dos Jogos RIO 2007 - CO-RIO, Leonardo Gryner.



A Tocha Pan-americana

A Tocha Olímpica era utilizada pelos gregos para anunciar a proximidade dos Jogos Olímpicos, quando os diferentes povos se irmanavam, esqueciam suas rivalidades e deixavam de guerrear para celebrar a harmonia e a união entre todos através da competição atlética. A Tocha simbolizava esta união de línguas, raças, nacionalidades em um mundo de paz.

Com o intuito de trazer para os Jogos RIO 2007 o espírito de integração envolvendo as 42 nações participantes, o evento da Tocha Pan-americana tornou as cidades brasileiras representantes simbólicas de cada um dos países. A Cerimônia da Chama, que representa os valores de paz e amizade através do esporte, ocorreu no dia 4 de junho nas Pirâmides de Teotihuacán, Templo do Deus Sol na cultura Asteca, localizado próximo da Cidade do México.

Do México a chama foi levada, em um avião da Força Aérea Brasileira para o Município de Santa Cruz de Cabrália, na Bahia, marco histórico do Descobrimento do Brasil, onde teve início, no dia 5 de junho o revezamento da Tocha Pan-Americana. A Tocha percorreu diversas cidades em todos os Estados brasileiros levando a mensagem de confraternização e paz através do esporte até chegar no dia 13 de julho ao Rio de Janeiro, palco da realização dos XV Jogos Pan-americanos.

Depois de percorrer diversos pontos da cidade a Tocha adentrou o Maracanã na solene Abertura dos Jogos, conduzida pelo atleta brasileiro Torbe Grael, bicampeão olímpico de Vela, para ser levada num trajeto emocionante até onde estava localizada a Pira Pan-Americana que foi acesa por outro atleta brasileiro, Joaquim Cruz, Medalha de Ouro nos 800 metros dos Jogos Olímpicos de Los Angeles de 1984.

A Pira permaneceu acesa no Maracanã até o final dos Jogos Pan-americanos, no dia 29 de julho, quando foi apagada.



Dois momentos do longo trajeto feito pela Tocha por todo o Brasil: a Tocha em Foz do
Iguaçú nas mãos de Marcelo Jorge Mendonza e Paulão.

Nota: As fotos deste item e do anterior foram copiadas do site oficial dos Jogos Pan-americanos – RIO 2007: http://www.rio2007.org.br.

Um Legado para a Cidade do Rio de Janeiro

"Receber uma edição dos Jogos Pan-americanos é muito mais do que realizar uma megacompetição esportiva. Para a cidade, o estado e o país que a organizam, e mesmo para o continente americano, é realizar um evento que promove mudanças sócio-econômicas profundas que ficarão para sempre. Os Jogos mudam definitivamente a sua sede. Basta ver o que aconteceu com a capital sul-coreana Seul e a cidade espanhola de Barcelona, revitalizadas em diversos aspectos após os Jogos Olímpicos de 1988 e 1992. Com o RIO 2007, é possível ver mudanças no cenário mesmo antes do início das competições.

A vitória do Rio na disputa pela sede dos Jogos Pan-americanos representou uma elevação do grau de credibilidade internacional de uma cidade brasileira sobre sua capacidade de promover grandes eventos internacionais. Tanto que, após a confirmação da realização dos Jogos, o Rio conquistou o direito de receber Campeonatos Mundiais. Ainda na área esportiva, houve a construção do Estádio Olímpico João Havelange, do Complexo Esportivo de Deodoro e do Complexo Cidade dos Esportes, no Autódromo, e a reforma do Complexo Esportivo do Maracanã e do Estádio de Remo da Lagoa. Além disso, foram importados equipamentos esportivos para 29 modalidades. São benefícios que ficarão à disposição dos atletas e dos fãs do esporte mesmo depois dos Jogos.

Do ponto de vista da economia e da infra-estrutura, houve aumento na geração de empregos na construção civil e no setor de turismo; obras de ampliação e reformas de ruas, de estações de trem e do aeroporto Santos Dumont; instalação de câmeras de monitoramento para controle de tráfego; e a remodelação dos quiosques da orla de Copacabana. Com isso, novos eventos são programados para a cidade, o comércio se expande e mais investimentos acontecem. O turismo ganha força com a construção de hotéis e melhora da infra-estrutura da cidade, ajudando na consolidação do Rio como líder desse setor na América Latina. Juntos, o programa de voluntários para o RIO 2007 e a criação desses empregos levam à capacitação de uma mão-de-obra qualificada em diferentes áreas, especialmente no atendimento ao visitante estrangeiro.

No setor de segurança pública, foi consolidada a atuação da Força Nacional de Segurança e promovida a integração de ações pelas forças de segurança, conforme estabelecido no Sistema Único de Segurança Pública (Susp). Houve ainda o investimento de R$ 562 milhões, aplicados na capacitação de agentes e cães farejadores e na compra de equipamentos como viaturas, aeronaves, rádios digitais e armamentos letais e não letais, que continuarão sendo utilizados depois dos Jogos. Além disso, foram criados projetos para integração social, tal como o treinamento de moradores de comunidades carentes para atuarem como brigadistas socorristas, operando em conjunto com órgãos de segurança pública no RIO 2007 e adquirindo o currículo mínimo para o curso de formação de bombeiro civil, ou como guias cívicos, fazendo parte da organização dos Jogos e se habilitando para trabalhar futuramente na área de turismo.

No longo do período de preparação e durante sua disputa, os Jogos irão estreitar os laços do Rio de Janeiro e do Brasil com os países da América, além de dar experiência à cidade na condução de acontecimentos desse porte. O Rio será exibido mundialmente como uma cidade com capacidade de organização e dona de uma riqueza esportiva, artística, cultural e natural.

Enfim, obras, reformas e desenvolvimento de políticas ficam como um importante patrimônio para a cidade, para o estado e para o país, servindo ao desenvolvimento do esporte, à descoberta de novos talentos e à formação de um corpo técnico e de centros de excelência. Tudo isso causa uma modificação na infra-estrutura urbana, já que as adjacências das instalações dos Jogos também receberam melhorias. Uma importante evolução será sentida ainda em setores como tecnologia, telecomunicações e medicina especializada em esporte.

E, acima de tudo, ficará a memória de um momento especial, quando foram reunidos atletas de todas as Américas para uma confraternização histórica em torno dos valores do esporte."


Nota: O texto acima foi copiado do site oficial dos Jogos Pan-americanos – RIO 2007: http://www.rio2007.org.br., de autoria do
Presidente do COB - Carlos Arthur Nuzman.


A Vila Pan-americana

A Vila Pan-americana foi construída entre os Bairros da Barra da Tijuca e de Jacarepaguá, especialmente para atender os Jogos do RIO 2007. O local foi escolhido por poder fornecer conforto e comodidade aos atletas e dirigentes em uma área de crescimento da cidade e por estar a uma distância máxima de dez quilômetros de 60% dos locais onde seriam realizadas as competições.

Foram dezoito meses de trabalho para que os atletas pudessem ser recebidos com toda a atenção devida aos ilustres inquilinos, em um conjunto formado de dezessete prédios capazes de abrigar 5.500 atletas e dirigentes. Os prédios foram identificados pelas cores dos anéis olímpicos e seus nomes homenageavam cidades sedes de Olimpíadas e Jogos Pan-americanos. Os atletas e dirigentes brasileiros ocuparam o bloco vermelho.

A Vila do Pan permaneceu interditada à presença de qualquer pessoa que não fosse devidamente autorizada e a segurança foi intensa, com o objetivo de preservar os atletas. Dentro da Vila havia um esquema de transporte especial, mas as distâncias em seu interior podiam sempre ser facilmente percorridas a pé. A vila contou ainda com um eficiente serviço médico para pronto atendiment, o caso necessário.

A Vila contou ainda com uma praça de cerimônias, lojas, boate, academia, restaurante e uma cancela para entrada e saída de veículos e atletas. O restaurante da Vila foi estruturado para poder atender a 4.000 pessoas simultaneamente.

Em volta da construção, foi mantida uma área de vegetação para que houvesse um isolamento saudável para seus habitantes. Todo o projeto de construção da Vila foi feito seguindo as determinações do Comitê Olímpico Internacional - COI para uma Vila Olímpica, incluindo medidas de proteção ao meio-ambiente, como a captação de energia solar.

Os apartamentos possuem tamanhos variados podendo ter de uma a quatro suítes e até o tamanho das camas considerou a estatura dos atletas, muitos deles possuindo altura acima da média da população. A Vila contou ainda com amplas instalações para possibilitar aos hóspedes uma estrutura de lazer e entretenimento.

A Vila Pan-americana atendeu também, aos participantes dos Jogos Parapan-americanos e para isto as instalações foram preparadas para atender às necessidades de acessibilidade e outras adaptações especiais tanto na parte exterior quanto nos apartamentos. Todas as necessidades foram atendidas e a Vila pode desempenhar de maneira totalmente satisfatória seu papel, atendendo às necessidades dos participantes de ambos os Jogos, tendo sido as instalações consideradas por todos como de excelente qualidade, uma verdadeira Vila Olímpica.



Vistas da Vila Pan-americana, tiradas do lado de fora da Vila, uma vez que a entrada só era permitida para quem tinha credenciais.
















Vistas do Monumento ao Atleta erguido na Barra da Tijuca próximo à Vila do Pan-americano.

Os Maiores Medalhistas

No XV Jogos Pan-americanos, foi o seguinte o Quadro de Medalhas dos cinco primeiros colocados:

  • 1o lugar – Estados Unidos com 97 de ouro; 88 de prata e 52 de bronze, com um total de 237 medalhas;
  • 2o lugar – Cuba com 59 de ouro; 35 de prata e 41 de bronze, com um total de 135 medalhas;

  • 3o lugar – Brasil com 54 de ouro; 40 de prata e 67 de bronze, com um total de 161 medalhas;

  • 4o lugar – Canadá com 39 de ouro; 43 de prata e 55 de bronze, com um total de 137 medalhas;

  • 5o lugar – México com 18 medalhas de ouro; 24 de prata e 31 de bronze, com um total de 73 medalhas.

O Brasil ficou em terceiro lugar, conseguindo ultrapassar o Canadá na colocação de Medalhas, mas perdeu para Cuba, embora no número total de medalhas tenha obtido melhor resultado que esta, mas perdeu no número de Medalhas de Ouro. Os Estados Unidos seguiu imbatível, ganhando em disparada o primeiro lugar.




Retorna à página RIO 2007
Retorna ao início da página