Tijuca Tijuca - A Praça Saens Pena e seus Arredores Tijuca - O Eixo da Rua Haddock Lobo e seus Arredores Tijuca - O Eixo da Rua Conde de Bonfim e seus Arredores Tijuca - Rua São Francisco Xavier Tijuca - Praça Xavier de Brito e Praça Barão de Corumbá Tijuca - O Bairro do Maracanã e a Avenida Maracanã Tijuca - Os Bairros da Grande Tijuca Tijuca - Parque Nacional da Tijuca

TIJUCA - O EIXO DA RUA HADDOCK LOBO E SEUS ARREDORES



Rua Haddock Lobo

Sobre a Rua Haddock Lobo, disse João do Rio, em seu livro a A Alma Encantadora das Ruas, página 9:

"é uma rua de calma alegria burguesa, que parece sorrir com honestidade."



A Rua Haddock Lobo, foi o Caminho do Engenho Velho , e foi através dela que teve origem a urbanização da Tijuca. Em 1855, o Senador Eusébio de Queirós abriu as Ruas do Matoso e do Cabido e pôs à venda lotes de terra. Em 1879, na Chácara do Barão de Ubá foram abertas as Ruas Barão de Ubá e Pereira de Almeida.

Na Rua Haddock Lobo foi aberto o primeiro cinema do Bairro, o Cinema Royal, no número 20 e ao seu lado funcionou o Cinema Pathé, logo depois ainda nas primeiras décadas do século surgiram mais : O Velo; o Haddock Lobo; o Avenida e o Central já no Largo da Segunda-Feira, bem mais tarde teria ainda o Cinema Madri. Na Rua existiu também o Estúdio Atlântica Cinematográfica, próximo do Cinema Velo, onde foram realizadas muitas chanchadas da década de 1950.



A Rua Haddock Lobo em 1915, foto copiada do livro
História dos Bairros - Tijuca



Vista do início da Rua Haddock Lobo, no
Largo do Estácio.


Prédio onde funciona o Sindicato dos
Trabalhadores da Indústria do Fumo,
construído em 1914.

Igreja Anglicana da Tijuca, localizada ao lado
da Igreja de São Sebastião.



Igreja de São Sebastião dos Frades Capuchinhos

São Sebastião, o protetor da cidade do Rio de Janeiro teve, sua primeira igrejinha construída por Estácio de Sá, ainda junto ao Morro Cara de Cão, com a transferência da cidade para o Morro do Castelo, Salvador Correia de Sá, primo de Estácio e Governador da Cidade, iniciou a construção da Igreja do Padroeiro, no Morro do Castelo e em seu segundo governo, entre 1578 a 1598, inaugurou a nova Igreja e transladou para ela a lápide com os restos mortais de Estácio de Sá, Fundador da Cidade.

Com o desmonte do Morro do Castelo, em 1922, a Igreja de São Sebastião foi transferida para uma nova Igreja da Rua Haddock Lobo na Tijuca: a Igreja de São Sebastião dos Frades Capuchinhos, e para ela também foram transferidos, em 1931, a lápide tumular de Estácio de Sá e o marco de fundação da cidade, que lá se encontra até hoje, mas antes estiveram numa casa na Praça Saens Peña, onde hoje é a Drogaria Granado.

A Igreja de São Sebastião é uma Igreja muito procurada pelos fiéis e todo ano no dia 20 de janeiro, festa do padroeiro, sai uma procissão da Igreja que atravessa o Centro, passando pela Catedral Metropolitana e vai até a Praça do Russel, na Glória, onde está a estátua de São Sebastião e onde é representado o Auto com a vida de São Sebastião.

A Igreja como é hoje foi construída entre 1928 e 1931, tendo como destaque sua decoração em estilo Néo-Bizantino com os altares em mosaico inspirados no Mosteiro de Beuron. Outro destaque são os grandes vitrais do transcepto, um dos quais apresenta a luta entre portugueses e franceses, na qual os portugueses expulsaram os franceses da Guanabara, em 1567. Na fachada da Igreja pode se ver um painel de azulejos, acima dos janelões, que representa a Fundação da Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro, por Estácio de Sá, em 1565, um detalhe deste painel pode ser visto na página: SUA HISTÓRIA. O projeto da Igreja é de autor desconhecido, mas foi adaptado por Guilherme Oates, em 1928.











As três primeiras fotos mostram o prédio da Igreja de São
Sebastião dos Frades Capuchinho e nelas pode ser visto o
painel de azulejos com a Fundação da Cidade. As outras
fotos são do interior da Igreja e mostram: o altar principal
e dois altares laterais com os mosaicos em estilo Néo-
Bizantino; o vitral com a luta entre portugueses e franceses
pela posse da terra, em 1567; o marco da Fundação da
Cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro e a lápide
tumular de Estácio de Sá.


Escola da Fundação Bradesco


O prédio onde hoje funciona a Escola da Fundação Bradesco localizado na Rua Haddock Lobo foi, no Século XIX, um Solar pertencente ao Barão de Mesquita, rico negociante que era filho do Conde de Bonfim, depois de moradia do Barão o prédio foi ocupado pelo Colégio Sul-Americano em 1898. No início do Século XX, deu lugar ao tradicional colégio Instituto La-Fayette, fundado pelo Professor La-Fayette Cortes.

Quando o Instituto Lafayette foi fechado, nos anos de 1980, o Governador do Rio de Janeiro, Leonel Brizola, queria que o prédio fosse demolido para em seu lugar erguer um grande edifício, graças a um movimento dos moradores do Bairro e ex-alunos do colégio, o prédio foi preservado, e em leilão público foi adquirido pela Fundação Bradesco, criada por Amador Aguiar, que foi o fundador do Banco Bradesco, se transformando numa excelente escola para filhos dos funcionários do Banco e crianças pobres do bairro.

Retorna ao Início da Página



Rua Doutor Satamini

Santuário da Medalha Milagrosa

Localizado sobre uma pequena colina na Tijuca, na Rua Doutor Satamini, paralela à Rua Hadock Lobo fica o Santuário da Medalha Milagrosa, que foi fundado em 1955 pelas irmãs vicentinas mais conhecidas como Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo. A idéia da construção do santuário dedicado a Nossa Senhora das Graças foi motivada pela canonização da vidente e irmã de caridade Catarina Labouré em 1947.

A devoção a Nossa Senhora das Graças teve início após sua aparição a esta noviça, em Paris na França, na qual Nossa Senhora, em uma das revelações, afirmou a Catarina que as pessoas que trouxessem consigo uma medalha, receberiam graças abundantes, especialmente àqueles que a usassem com fé e confiança. A construção se efetivou com a realização de campanhas, festas comunitárias, doações espontâneas e generosas de fiéis que queriam concretizar a construção do belo Santuário da Medalha Milagrosa.

A pedra fundamental foi lançada aos 26 de junho de 1949 com a presença do cardeal do Rio, na época, D. Jaime de Barros Câmara. O Santuário só foi inaugurado em 18 de julho de 1955 com uma solenidade majestosa. O Santuário acolhe durante todo o ano centenas de peregrinos e devotos que respondem com fé ao convite da Virgem. No alto da torre da igreja, a 60 metros de altura existe uma imagem de Nossa Senhora das Graças que foi transladada para o Santuário em maio de 1981, possue 5 metros e meio de altura, pesando 4,5 toneladas. O Santuário da Medalha Milagrosa foi tombada pela prefeitura do Rio de Janeiro em 2003.

No mesmo terreno do Santuário, um pouco acima foi fundado pela mesma irmandade das Filhas da Caridade de São Vicente de Paulo um o Hospital Escola, em 1930, com o objetivo oferecer assistência médica às irmãs religiosas e treinamento às noviças na área de Enfermagem. Em 1968, após reformas do casarão onde funcionava, o Hospital Escola passou a se chamar Hospital São Vicente de Paulo e a atender também os moradores da região. Em 1980 o Hospital foi ampliado ganhando um prédio maior e mais moderno que possue também uma Escola de Enfermagem.




Na primeira foto, tirada da Rua Barão de Itapagipe, pode se ver a região onde se encontra o Santuário e a imagem da santa na torre da Igreja, impossível de ser vista do pátio da Igreja. As três fotos abaixo mostram a fachada majestosa do prédio e sua torre.





Na primeira foto outra vista do prédio. As duas fotos ao lado e as três abaixo mostram o interior da Igreja com seu belíssimo altar em vistas aproximadas da imagem da Medalha Milagrosa.




A primeira foto ao lado mostra a entrada da
Igreja e o coro, as outras duas são de duas
pequenas capelas laterais que recordam as
fases das aparições à noviça Catarina Labouré.

Dois dos quadros da Via Sacra da Igreja.


A lado os dois púlpitos da Igreja onde pode se ver os dois lados da Medalha Milagrosa. Acima o prédio do Hospital São Vicente de Paulo que fica localizado no terreno acima do prédio da Igreja.



Praça Castilhos França

A Praça Castilhos França é o nome real da praça conhecida como Afonso Pena, que é cercada pelas ruas: Campos Sales; Afonso Pena; Doutor Satamini e Martins Pena. Atualmente ela funciona como uma grande área de lazer para todas as idades, onde se pode ver crianças brincando e tomando sol e adultos praticando esportes e jogando cartas.

Na Rua Afonso Pena funcionou o Estúdio Omega Filmes. Em 1900 foi aberta a Rua do Hipódromo, atual Rua Campos Sales, pela Sociedade Hípica Nacional, que funcionou onde hoje está localizado o América Futebol Clube.



Praça Castilhos França ou Praça Afonso Pena e Rua
Doutor Satamini.

Vista geral da Praça Afonso Pena.



Vistas dos prédios da Rua Doutor Satamini e a saída do Metrô Afonso Pena.


Vistas da Praça com os prédios ao seu redor.

Uma bonita escultura de dois cães no meio da Praça.


Vistas da Praça com os diversos brinquedos infantis intensamente utilizado pelas crianças que freqüentam o local.


Quiosques onde senhores idosos se divertem jogando cartas.

Carrinhos de brinquedo para crianças darem volta na Praça.

Vista da Praça com prédios do cruzamento das Ruas
Afonso Pena e Martins Pena.


Vista de prédios na Rua Campos Sales.

América Futebol Clube



O América Futebol Clube, fica próximo da Praça Castilhos França, na esquina da Rua Campos Sales e Rua Goncalves Crespo.
O América e o Tijuca Tênis Clube são os dois mais importantes clubes da Tijuca, mas se o Tijuca foi criado com fins sociais, o
América sempre teve como objetivo a dedicação aos esportes.

O América foi fundado em 1904, quando alguns sócios do Clube Atlético Tijuca, na Muda, que reunia praticantes de ciclismo
e de corridas a pé, resolveram fundar o Clube para praticar um novo esporte, em moda no Brasil: o futebol.

Retorna ao Início da Página



Rua Mello Matos


Prédio da Casa dos Açores, tradicional Casa Portuguesa.

Prédio da Sociedade Libanesa.
Colégio Municipal Mario da Veiga Cabral.

Prédio onde funciona a Casa Portuguesa
de Trás os Montes e Alto Douro.


Retorna ao Início da Página



Rua Barão de Itapagipe

Todas as fotos na sequência foram tiradas de um apartamento na Rua Barão de Itapagipe





As quatro fotos acima mostram uma vista geral da região em volta estendendo-se para o lado da Rua Haddock Lobo. Na terceira foto pode se ver uma das favelas localizadas ao longo da Rua Barão de Itapagipe e a quarta foto mostra a região até a Pedra da Babilônia localizada no Colégio Militar.



As quatro fotos mostram três igrejas localizadas na região. As duas primeiras a Igreja de São Sebastião dos Frades Capuchinhos localizada na Rua Haddock Lobo. A foto abaixo a Igreja da Medalha Milagrosa localizada na Rua Doutor Satamini e a foto ao lado a Igreja de São Pedro localizada na Avenida Paulo de Frontin.




As duas fotos acima mostram a região tendo em segundo plano a vista no Parque Estadual da Pedra Branca. A segunda foto mostra uma aproximação vendo-se em destaque a Pedra da Babilônia que fica no Colégio Militar.


As duas fotos acima foram tiradas no dia da final da Copa do Mundo de 2014 realizada no Brasil, após o jogo entre Alemanha e Argentina, no qual a Alemanha ganhou o título de Tetra-Campeã, mostrando a queima de fogos e o Cristo Redentor homenageando o país sede. Na primeira foto pode se ver a Igreja de São Sebastião dos Frades Capuchinhos iluminada.




As duas fotos acima foram tiradas à noite, uma mostrando a Igreja de São Pedro localizada na Rua Paulo de Frontim e a outra o Cristo Redentor iluminado.


Retorna à página TIJUCA
Retorna ao início da página