Tijuca Tijuca - A Praça Saens Pena e seus Arredores Tijuca - O Eixo da Rua Haddock Lobo e seus Arredores Tijuca - O Eixo da Rua Conde de Bonfim e seus Arredores Tijuca - Rua São Francisco Xavier Tijuca - Praça Xavier de Brito e Praça Barão de Corumbá Tijuca - O Bairro do Maracanã e a Avenida Maracanã Tijuca - Os Bairros da Grande Tijuca Tijuca - Parque Nacional da Tijuca

TIJUCA - A PRAÇA SAENS PEÑA E SEUS ARREDORES



História da Praça Saens Peña

Na década de 1820, no meio ainda rural, marcado pela presença de chácaras existia uma Fábrica de Chitas, considerada uma das primeiras do Brasil, próximo da Fábrica existia o Largo da Fábrica, localizado num entroncamento de dois caminhos: o Caminho do Andaraí Pequeno, hoje Rua Conde de Bonfim e a Travessa do Andaraí uma das mais antigas ruas da região, que foi aberta em 1820 nos terrenos das Chácaras do Barão de Bonfim, de Izabel Martins e de Dona Maria Bibiana de Araújo e era um caminho que levava à Fábrica. Esta rua antes se chamou Rua da Fábrica das Chitas e atualmente é a Rua Desembargador Isidro.

Este núcleo era conhecido como Bairro da Fábrica das Chitas e foi o primeiro foco de urbanização da região, que era dominada por grandes propriedades e não houve condições, para na época se desencadear um processo de mudança substancial na fisionomia do local, fato que só iria ocorrer a partir de 1840 com a cultura cafeeira do Vale do Paraíba, como já foi descrito em História do Bairro - Tijuca. A Fábrica na realidade não fabricava nada, nela apenas se estampava tecidos vindos da Índia, ela se manteve em atividade por apenas vinte anos mas seu nome permaneceu por um século.

Em 30 de abril de 1911, o velho e feio Largo da Fábrica das Chitas, se transformou na Praça Saens Peña, bela e elegante, tendo em sua inauguração contado com a presença do Prefeito Bento Ribeiro. O nome da Praça foi dado em homenagem ao Presidente da Argentina. A Praça Saens Peña já foi conhecida como "Cinelândia da Tijuca", por causa dos cinemas da região. A partir de 1920 nela surgiram os cinemas: o Tijuquinha; o América e o Carioca, na década de 40 nela instalou-se o Olinda, que foi um dos maiores monumentos da engenharia moderna e o Metro Tijuca, aberto cinco anos depois do Metro Passeio e antes do de Copacabana. Nos anos 50 foram instalados o Eskie, o Art-Palácio e o Britânica. Nos anos de 1970 a Praça Saens Peña tinha em seus arredores cerca de doze cinemas, dois a mais que a Cinelândia. No entanto hoje a Praça não possue mais nenhum destes cinemas e os seis existentes no Bairro estão localizados no Shopping Center Tijuca. As salas suntuosas nos velhos prédios em estilo Art-Deco agora servem a cultos evangélicos, lojas comerciais e até Colégios.

Na Praça aos domingos havia retreta com banda marcial, ela possuia também um "guignol", um teatrinho de fantoches para crianças. Nos anos de 1950 foi inaugurado o Café Palheta, tradicional ponto de encontro do Bairro por muitos anos, que existe até hoje, incorporado à Drogaria Venâncio, mas sem o antigo charme. Em 1976 foi inicada a obra do Metrô na Praça desfigurando-a completamente, mas após as obras a Praça foi restaurada e voltou a ser um dos pontos mais importantes da Tijuca.


Retorna ao Início da Página



A Praça Saens Peña - No Passado


Vistas da Praça Saens Peña: a primeira foto mostra
a inauguração da Praça, em 1911; a segunda mostra a Praça
nos anos de 1960 e a terceira a Praça durante as obras
do Metrô, que transformou o local num imenso buraco.
Na foto acima pode se ver o Cinema Olinda. As três fotos
foram copiadas do livro: História dos Bairros - Tijuca,
publicado pela João Fortes Engenharia.

Retorna ao Início da Página



A Praça Saens Peña - Hoje


Vista geral da Praça Saens Peña, tirada de um
prédio na Rua Conde de Bonfim.


Vista da Praça com o quiosque onde pessoas
idosas jogam cartas e conversam.


Shopping 45, que fica em frente à Praça.


Entrada para a Praça, depois que ela foi cercada, em 2010
a cerca foi posteriormente retirada.


Entrada da Estação do Metrô na Praça Saens Peña.

Vista da Praça mostrando a esquina com a Rua General Roca.

Vista da Praça com a esquina da Rua Heitor Beltrão.


Vista da Praça com o prédio da esquina da Rua
General Roca com a Rua Conde de Bonfim.

Vistas da Praça Saens Peña com o Lago, o Quiosque e os prédios ao seu redor









Quiosque no meio da Praça onde as pessoas idosas podem jogar e conversar. Praça Saens Pena no outono de 2014.

Vistas de prédios pertencentes à Rua Conde de Bonfim na direção da Praça Saens Peña, na primeira o prédio onde
funciona a Drogaria Granado e a segunda com os prédios da C&A e outros comerciais.

Retorna ao Início da Página



Rua Barão de Mesquita

A Rua Barão de Mesquita deve seu nome ao Barão de Mesquita, filho do Conde de Bonfim, grande proprietário de terras na região e dono da Chácara onde hoje funciona o Colégio Militar. Foi aberta para ligar o Andaraí Pequeno ao Palácio Imperial e ao Centro da Cidade. Tem um trajeto sinuoso que atravessa vários Bairros e servia de passagem aos carris que carregavam açúcar vindos do Engenho de Dentro. No Início Século XX serviu de passagem para os produtos vindos das fábricas de tecidos e manufaturados que foram instaladas no Bairro operário do Andaraí.

Ao lado vista da Rua Barão de Mesquita no trecho entre a Rua Major Ávila e o cruzamento dela com a Avenida Maracanã.


Cruzamento da Avenida Maracanã com a Rua Barão de
Mesquita, podendo se ver os prédios em cima do
Off-Shopping e parte do Shopping Tijuca. Na foto ao lado
pode se ver o Bob's no mesmo cruzamento.




A foto ao lado mostra a Rua Barão de Mesquita vista do
pátio da Igreja de Santo Afonso e a foto acima mostra os
edifícios construídos em cima do Off-Shopping.


Rua Enaldo Cravo Peixoto que fica entre o Shopping Tijuca
e o Off-Shopping.

Rua Pereira Nunes que liga a Avenida Maracanã ao
Boulevard 28 de Setembro em Vila Isabel.

Igreja de Santo Afonso

A Igreja de Santo Afonso, fica localizada próximo da Praça Saens Peña, na esquina da Avenida Barão de Mesquita com a Rua Major Ávila. Seu prédio é um exemplo do Estilo Néo-Gótico da cidade, que se caracterisou por ser um estilo típico da arquitetura religiosa.

Como em toda Igreja neo-gótica, suas torres se destacam entre os prédios da região. Foi fundada em 25 de março de 1903, por influência do Cardeal Arcoverde pertencendo à Congregação Redentorista e consagrada a Santo Afonso Maria Ligório. A Paróquia teve importante papel na formação da personalidade do tijucano, uma vez que tem atuação efetiva na comunidade. O grupo jovem da Igreja é tradicional e muito ativo. As festas juninas e quermesses que nela se realizam são de tradição no Bairro.





A primeria foto mostra a fachada da Igreja na Rua Major Ávila,
a segunda e a terceira mostram a lateral da Igreja na Rua Barão
de Mesquita e a última mostra o interior da Igreja.


Quartel do 1o Batalhão de Polícia do Exército

O Quartel do 1o Batalhão da Polícia do Exército foi construído em homenagem ao Marechal Euclides Zenóbio da Costa, Comandante da Força Expedicionária Brasileira na 2a Guerra Mundial e foi inaugurado em 6 de dezembro de 1951. Seus soldados, treinados para manter a segurança de autoridades, do trânsito e no controle de passeatas e manifestações, foi utilizado ostensivamente na época do Regime Militar instaurado em 1964 no Brasil. O Batalhão tem um efetivo de 600 a 700 soldados que servem no Quartel.

Neste local anteriormente funcionava as instalações da Escola de Engenharia Militar, criada em 1920, que foi a origem do atual Instituto Militar de Engenharia. Esta escola em 1930 passou a ocupar o prédio existente neste local.





Retorna ao Início da Página



Rua Enaldo Cravo Peixoto - Shopping Tijuca

O Shopping Tijuca fica localizado na Avenida Maracanã e junto com o Shopping Iguatemi, localizado em Vila Isabel, são os dois mais importantes da Grande Tijuca. O Shopping Tijuca, é atualmente o pricipal ponto de comércio e lazer da região da Praça Saens Peña.

O conjunto arquitetônico em que funciona o Shopping Tijuca e o Off-Shopping, teve sua obra paralizada por mais de vinte anos, de 1972 até 1994, devido à falência da Construtora Nova York, responsável pela obra, anos depois os proprietários do terreno conseguiram abrir numa parte da construção as lojas que hoje funcionam como Off-Shopping e só posteriormente foi inaugurado o Shopping Tijuca.

No terreno em que ele foi construído, anteriormente funcionava a Fábrica Botafogo e depois a Fábrica de Tecidos Corcovado.









Evento "Tijuca Antiga" Realizado no Shopping Tijuca

O o segundo semestre de 2013, o Shopping Tijuca realizou um Evento : "Tijuca Antiga" no qual se destacavam fatos, acontecimentos e coisas ligadas à Tijuca, pontos importantes do Bairro e pessoas que tiveram seus nomes associados algumas ruas da Tijuca. Este evento também mantinha uma área de laser destinada às crianças, decorada com fotos ligadas ao Bairro e uma vez por semana havia apresentações musicais no local.

Este Evento despertou a atenção de um número grande pessoas que paravam no corredor do segundo piso, lendo e observando os cartazes apresentados, procurando conhecer um pouco da História deste Bairro tão tradicional da Cidade e levando muitos moradores mais antigos a recordarem tempos passados, como os elaboradores deste site. Evento louvável, parábens ao Shopping Tijuca.


Corredor do segundo piso
do Shopping Tijuca onde
foi realizado o Evento.





Na Exposição havia um espaço de recreação dedicado às crianças para que aproveitassem o tempo em um ambiente decorado com fotos antiga.






A Exposição apresenta fotos antigas de locais importantes da Tijuca.


À esquerda: "Os Bondes Elétricos em circulação a partir de 1898 conviveram com outros meios de transporte como tílbures, ônibus elétrico, lotações, ônibus e automóveis, até a sua desativação na década de 1960." Acervo: Lili Rose Cruz Oliveira e Núbia Mellem Santos IN: Livro: Tijuca de Rua em Rua de Lili Rosa da Cruz Oliveira e Nelson Aguiar

À direita: "Rua Conde de Bonfim - Malta." Acervo: Arquivo Fotográfico da Ligth.

Abaixo: "Praça Saens Peña anos 20 -
Malta
". Acervo: Arquivo Fotográfico da Light.




Acima: "Fachada do Colégio Militar, instalou-se em 1889 no antigo solar do Barão de Mesquita, no sopé do Morro da Babilônia." Acervo: Elysio de Oliveira Belchior IN: Livro: Tijuca de Rua em Rua de Lili Rosa da Cruz Oliveira e Nelson Aguiar.

"Rua São Francisco Xavier, década de 1920. Malta." Acervo: Arquivo Fotográfico da Ligth.


Acima: " Instituto de Educação, fundado em 1880, ocupou endereços diferentes até se fixar na Rua Mariz e Barros, na década de 1930. Fazer o curso de normalista no Instituto era o sonho dourado do "brotos" cariocas. Foto: década de 1950." Acervo: França Antiguidades e Objetos de Arte. Rua Conde de Bonfim 346, Subsolo 105.



Abaixo: "Construção do Estádio Jornalista Mário Filho (Maracanã). Década de 1940." Acervo: França Antiguidades e Objetos de Arte. Rua Conde de Bonfim 346, Subsolo 105.

À esquerda: "Foto rara do La-Fayette Preliminar, destinado aos alunos do Primário. Na década de 1960, no segundo andar funcionou a primeira sede da Casa das Palmeiras, fundada pela célebre psiquiatra Nise da Silveira, e, no térreo a APAE (Associação de Pais e Amigos de Alunos Excepcionais). Hoje, o condomínio Chácara da Tijuca está no local." Acervo: S.D. Coleção La-Fayette Côrtes Filho IN: Livro Tijuca de Rua em Rua de Lili Rosa da Cruz Oliveira e Nelson Aguiar.

À direita: "Vista aérea do antigo hipódromo Derby Club (atual área de Estádio Jornalista Mario Filho, Maracanã). No primeiro plano o prédio do Museu do Índio antes sede do Centro de Veterinária do Exército. Década 1930." Acervo: França Antiguidades e Objetos de Arte. Rua Conde de Bonfim 346, Subsolo 105.


Acima: "Fachada do Colégio Marista São José, (sede atual), Rua Conde de Bonfim 1067." Acervo: Colégio Marista São José.




Acima: "Jardins da Praça Saens Peña, nos anos 1940. A Praça recebeu este nome em 1910, em homenagem a Roque Saens Peña, Presidente da Argentina, que em visita ao Rio de Janeiro enalteceu em discurso o relacionamento entre os dois países: "Tudo nos une, nada nos separa." Foto de 1950." Acervo: Elysio de Oliveira Belchior. IN: Livro: Tijuca de Rua em Rua de Lili Rosa da Cruz Oliveira e Nelson Aguiar.


Acima: "Igreja de Santo Afonso - recebeu este nome em homenagem ao missionário fundador da Congregação dos Padres Redentoristas." Acervo: Elysio de Oliveira Belchior. IN: Livro: Tijuca de Rua em Rua de Lili Rosa da Cruz Oliveira e Nelson Aguiar.

À esquerda: "Cinema Olinda, na década de 1950. Maior sala de exibição de filmes da América Latina tinha capacidade para 3.500 pessoas." Acervo: França Antiguidades e Objetos de Arte. Rua Conde de Bonfim 346, Subsolo 105.


Acima: "Fachada da Pharmácia e Drogaria Granado Rua Conde de Bonfim. Década de 1917." Acervo: França Antiguidades e Objetos de Arte. Rua Conde de Bonfim 346, Subsolo 105.

Abaixo: Fábrica de Chitas, Rua Bom Pastor (área da atual Praça Saens Peña). Década de 1922." Acervo: França Antiguidades e Objetos de Arte. Rua Conde de Bonfim 346, Subsolo 105.



Havia na Exposição dois cavaletes onde eram apresentadas pequenas biografias e foto de oito pessoas importantes para a Tijuca, que
tiveram seus nomes batizando ruas do Bairro.



"José Francisco de Mesquita, o conde de Bonfim (depois marquês) de Bonfim, era proprietário de terras e casas na Tijuca e Alto da Boa Vista, pai de Jerônimo José de Mesquita, primeiro barão (depois conde) de Mesquita e avô de José Jerônimo de Mesquita (segundo barão de Bonfim), de Jerônimo Roberto de Mesquita (segundo barão de Mesquita) e de Jerônima Elisa (baronesa de Itacurussá).

O conde de Bonfim nasceu em Juiz de Fora, Minas Gerais, em 11/01/1790, e faleceu aos 83 anos. Banqueiro ajudou a financiar a Independência do Brasil e o combate às revoltas das províncias de São Paulo e Minas Gerais. Foi vereador da Casa Imperial, comendador da Ordem de Cristo, da Ordem do Cruzeiro, dentre outras."



"O Barão de Mesquita, era fazendeiro, empresário e exportador, foi vereador, comandante da Ordem da Rosa e da de Cristo, da Real Ordem de Nossa Senhora da Conceição da Vila Viçosa e grande benemérito da Ordem de São Francisco de Paula e da Santa Casa da Misericórdia. Nasceu no Rio de Janeiro, em 25/06/1826, e faleceu em 01/09/1886."

"A família Mesquita foi uma das mais nobres da corte de D. Pedro II e uma das mais importantes da região da Tijuca." As fotos e descrições pertencem ao Livro: Tijuca de Rua em Rua de Lili Rosa da Cruz Oliveira e Nelson Aguiar.

"Manuel Ferraz de Campos Salles - segundo presidente civil do Brasil, nasceu em Campinas, São Paulo, em 13 de dezembro de 1841, e faleceu em Guarujá, em 28 de junho de 1913. Bacharel de Direito, foi Ministro da Justiça do governo provisório, deputado, senador e presidente do estado de São Paulo.
Elegeu-se presidente da República para o quinquênio 1898-1902. No seu governo teve início a elaboração do Código Civil, para cuja confecção o Ministro da Justiça, Epitácio Pessoa, convidou Clóvis Bevilacqua (também homenageado no bairro). Depois de deixar a presidência, Campos Salles foi eleito senador, em 1909, pelo estado de São Paulo."

"Isidro Borges Monteiro (Desembargador Isidro). Nascido no Rio de Janeiro, em 22/01/1825, o Desembargador era proprietário de terras e chefe de polícia da corte, de 1857 a 1860. Recebeu os títulos de Cavaleiro da Imperial Ordem de Cristo (1854) e da Imperial Ordem da Rosa (1874). Este último pelo serviços prestados como presidente da comissão de recenseamento dos moradores da paróquia do Engenho Velho."


"Foi membro efetivo da Diretoria do Banco Rural e Hipotecário do Rio de Janeiro, gerente do Cassino Fluminense (1854 a 1885), Comendador da Real Ordem Militar Portuguesa de Nossa Senhora da Conceição da Vila Viçosa e fidalgo da Casa Real de Portugal (1869). Faleceu em 15/05/1890."


"José Hygino Duarte Pereira, nasceu em Pernambuco, em 22/01/1847, bacharelou-se em Direito em 1867 e obteve o grau de doutor em 1867. Ainda durante o Império, elegeu-se deputado da província de Pernambuco. Na República exerceu o cargo de ministro da Instrução Pública e da Justiça de Floriano Peixoto.
Em 1892, assumiu a cadeira de ministro do Supremo Tribunal Federal. Durante o governo de Campos Salles, foi indicado como representante do Brasil na primeira Assembléia do Congresso Pan-Americano, que teve lugar no México. Eleito vice-presidente do Congresso, faleceu durante os trabalhos daquela Conferência no dia 10/12/1901."

"O coronel Antônio Basílio era neto do conde de Itaguaí. Austero e culto casou-se com sua prima, Ana Pavão. Herdou as terras que comporiam sua chácara e triplicou o seu patrimônio adquirindo parte do loteamento das terras do Portão Vermelho da Baronesa de Bonfim. Sua chácara enorme e luxuosa, ficava na Rua Conde de Bonfim.
A família de Antônio Basílio está ligada às famílias Teixeira Pires, Teixeira Dantas, Teixeira Fonseca, Teixeira Lima e Sá Freire. Seus filhos foram Pedro Basílio, Taciano e Paula. O coronel faleceu em 1913. A bisneta, neta de Pedro Basílio, Sônia Regina Basílio Menaged, tem preservado a memória da família."

"Na foto pode se ver a família de Antônio Basílio. Da esquerda para a direita os filhos: Paula; Demétrio e Pedro (em pé), o genro Sílvio Sá Freire e o filho Taciano (sentados)."


"Eusébio de Queirós Coutinho Matoso Câmara - advogado, juiz, senador e conselheiro do Império, nasceu em Angola, em 1812, e faleceu no Rio de Janeiro, em 07/05/1868. Exerceu vários cargos no Império. Foi chefe de polícia (1833-1844) e é o autor de uma das mais importantes leis do Império, a que estabeleceu medidas para a repressão ao tráfico de escravos (Lei Euzébio de Queirós de 1850)."

"A Rua do Matoso é a principal via de circulação da região das Praça da Bandeira. Em julho de 1905, a Companhia de Vila Isabel inaugurou sua primeira linha elétrico de bondes, a do Matoso, mantendo o valor da passagem, estabelecido em 1883, em 100 réis. (...)"

"João Pizarro Gabizo nasceu no Rio de Janeiro em 20/10/1845 e faleceu em 16/05/1904. Formado pela Faculdade de Medicina do Rio de Janeiro (1867), foi o segundo cirurgião da Armada na Guerra do Paraguai (1865) e, por mérito, recebeu de D. Pedro II o Hábito da Rosa.
Após estudos na Clínica Dermato-Sifilográfica na Europa, se dedicou à especialidade. Em 1883, foi aprovado no concurso da Faculdade de Médicina para a recém-criada Clínica de Moléstias Cutâneas e Sifilíticas. Nomeado diretor do Hospital dos Lázaros (1886), foi ainda vice-diretor da Faculdade de Medicina (1894). Tornou-se patrono da cadeira 44 da Academia Nacional de Medicina (1903)."

As fotos e descrições pertencem ao Livro: Tijuca de Rua em Rua de Lili Rosa da Cruz Oliveira e Nelson Aguiar. A de João Pizarro Gabizo e de José Higino Duarte Pereira pertencem ao Acervo: Dicionário Internacional de Biografias, S.D., a de Antônio Basílio faz parte do Acervo: Sonia Regina Basílio Menaged, a de Eusébio de Queirós Coutinho Matoso Câmara e a do Desembargador Isidro pertencem ao Acervo: História da Polícia do Rio de Janeiro, 1942.


Retorna ao Início da Página



Rua Santo Afonso e Rua Major Ávila


AA primeira foto mostra a Rua Major Ávila em frente
à Igreja de Santo Afonso, as outras são da Rua Santo
Afonso. Na última foto pode se ver o início da
Rua Antonio Basílio.





Retorna à página TIJUCA
Retorna ao início da página